30 maio, 2019

[RESENHA] Os Rothwells #2: Lições do Desejo

Oiii seus lindos, estamos de volta com a família Rothwell, uma das amadas famílias que nos foram dadas de presente pela editora Arqueiro, que já nos é uma velha conhecida na publicação de romances de época. Então hoje teremos um pouquinho sobre o segundo volume da série dos Rothwells, e se quiserem saber um pouquinho mais sobre o que achei da história é só continuar lendo.

Neste livro somos apresentados a história da icônica Phaedra Blair, aquela mulher exótica e independente que nos foi apresentada no primeiro livro como a improvável melhor amiga da Alexia (vocês podem conferir a resenha do primeiro AQUI). Phaedra é uma mulher que acredita no amor livre, que não se prende a regras e convenções sociais, ela segue única e exclusivamente o que sua mente e seu coração determinam.
 
Acontece que agora ela possui uma grande missão: publicar as memórias de seu pai, que ao falecer pediu que ela publicasse na editora da família suas histórias da sociedade londrina, e a perspectiva desta publicação tem deixado diversas famílias eufóricas, dentre elas os Rothwells.
 
Neste contexto, somos apresentados a lorde Elliot Rothwell, o clássico homem da alta sociedade: extremamente atraente, mas com uma sutilidade implícita, o que acaba por torná-lo tentador, e consequentemente faz com que ele tenha um grande sucesso com as mulheres, mas estes efeitos são irrelevantes para o que ele realmente precisa: convencer Phaedra a não publicar as memórias de seu pai, que poderão acabar por manchar, de forma irrevogável, o nome da família Rothwell.
 
Em busca de uma publicação fidedigna, Phaedra vai para Nápoles, para descobrir se algumas das informações do manuscrito são verdadeiras, mas neste meio tempo um equívoco acaba por fazer com que ela seja presa, e é nesta situação que seu caminho efetivamente se cruza com o de lorde Elliot.
 
Elliot foi o irmão escolhido para convencer Phaedra a suprimir a parte das memórias que mencionam sua família, e para isto ele vai a Nápoles, e acaba encontrando a Srta. Blair em prisão domiciliar, mas graças ao prestígio como grande historiador e escritor, fora o prestígio da família, ele consegue libertar Phaedra, mas ela acaba ficando sob sua tutela, o que o torna responsável por ela até que eles retornem a Inglaterra.
 
Depois disto os dois percorrem uma das áreas mais românticas da Europa em busca de respostas, mas vão acabar descobrindo que discordam de praticamente tudo, menos no fato de que a química entre eles é incrível e que na cama não há discordância entre eles.
 
Há muito tempo eu não sinto tanto medo com uma leitura como eu senti com esta, porque a Phaedra se mostrou uma mulher extremamente forte e determinada, que sempre acreditou que o fato de ela ser mulher não poderia ser impeditivo de nada e que um homem não determinaria seu caminho, e quando o romance com Elliot começou, eu juro que comecei a pensar que a autora ia destruir a personalidade forte dela porque “é preciso ceder em alguns pontos no amor” e aí cairia por terra todas as defesas que a personagem fez anteriormente.
 
Mas fiquei muito feliz de que ela tenha sido fiel a quem ela era e suas determinações permaneceram com ela até o fim, mesmo quando por questões legais (já que naquela época a mulher não possuía direitos) ela teve que sucumbir a uma convenção social.
 
Em muitos pontos eu fiquei irritada com o Elliot porque ele se mostrava extremamente autoritário e em algumas soava até mesmo machista, mas compreendi o lance do machismo porque na época essa era a realidade, e se considerarmos os padrões ele não era nem tão machista assim, se é que se pode dizer desta forma, mas este pensamento foi o que me auxiliou para conseguir fluir com a leitura.
 
Eu gostei do ambiente onde a história se passou e das descobertas que os personagens fizeram, gostei de como o relacionamento começou e como a paixão começou a fluir, mas demorei um pouco na leitura porque infelizmente eu passei todo o tempo pensando “na próxima página ela vai avacalhar a personalidade da Phaedra” ou “Tenho certeza que depois disto ela vai fazer a Phaedra sucumbir e acabar com a personalidade dela” não leiam pensando assim tá? Leiam com o conforto de saber que as concessões feitas não interferem na essência da personagem.
 
Estes livros só tinham um problema e que já foram sanados pela Arqueiro, que eram as capas (falei no resenha do primeiro livro) que não tinham nada a ver com a descrição da personagem, e aqui temos o mesmo padrão. No primeiro livro a Alexia era morena e a modelo da capa loira, e felizmente foi alterado, e neste livro temos uma personagem com cabelos castanhos ou castanhos avermelhados se forçarmos muitoooo e a Phaedra tem escandalosos cabelos vermelhos vivos, daqueles bem chamativos e que chocavam a sociedade londrina, e como podemos ver para a alegria geral da nação, a capa foi alterada.
 
As folhas são amareladas, a fonte é de um tamanho confortável e encontrei pouquíssimos erros de revisão, a diagramação é bem simples, mas segue aquele padrão de capítulo iniciando no meio da página quando o capítulo anterior termina no meio da página, que não me causa um tique muito grande, mas sei que incomoda algumas pessoas.
 
De toda forma é uma leitura muito leve, com uma história gostosa e cheia de descobertas não só sobre o amor, mas sobre como é possível adequar os relacionamentos de forma a atender a personalidade de todos os envolvidos, claro, quando o amor realmente existe.
Estou mais do que ansiosa para conferir o próximo volume, que irá contar a história da prima da Alexia, que nos foi apresentada lá no primeiro livro.
Título: Lições do Desejo Série: Os Rothwells Páginas: 272 | Autor(a): Madeline Hunter | Editora: Arqueiro | Ano: 2013
 
 
Aninha

Tags: , , ,

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

8 Comentários

  • Avatar
    Tahis
    agosto 12, 2019

    Olá!
    Ahhh estou com o primeiro livro da série mais ainda não consegui pegar para ler, sério. Tem época que fico louca por um romance de época, essa série parece ser bem gostosa de ser lida, adoro essas descobertas e amadurecimento. As capas são lindas!

    beijos!

  • Avatar
    Aline Martins de Oliveira
    agosto 08, 2019

    Oi Aninha! Adorei a resenha! Eu gosto muito de ler romances de época, mas estou um pouco desanimada por exatamente ficar preocupada com a evolução de certos personagens, que começam a história super fortes e cheios de personalidade, e com o passar do tempo, vão perdendo a identidade. Claro que a gente compreende o tempo no qual a história se passa, mas quando ele se perde muito, é chato. Saber que nesse livro a autora respeitou a protagonista, e mesmo com alguma coisa tendo que ser aceita, ela ainda permaneceu como a conhecemos no início. Obrigada pela dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ http://www.stalker-literaria.com

  • Avatar
    Mara Santos
    agosto 07, 2019

    Oiê,

    Ainda não li nada dessa autora,mas ela já está na minha lista de romances de época a serem lidos, adorei ler a sua opinião sobre a história, acho que vou curtir e muito a leitura desse livro.

    Beijão!

  • Avatar
    kell alves
    agosto 07, 2019

    Oi Aninha,
    Nunca li nada da Madeleine apesar de ter alguns e-books no meu kindle, sou muito fã de romances de época e suspeita já que são pouquíssimos que não me agradam, amei o contexto do livro e fiquei mega curiosa com a história e a escrita da autora que ainda não conheço.

    Beijokas

  • Avatar
    PS Amo Leitura
    agosto 05, 2019

    Não conhecia o livro, mas gostei da premissa dele. O fato de ser em um contexto que a mulher não tinha direito, a personagem ser determinada é algo cativante. Fiquei curiosa para conhecer mais sobre essa família. Vou aproveitar para conferir sua primeira resenha 🙂

    beijos,

  • Avatar
    Michelle Russo
    agosto 05, 2019

    Olá o livro é novidade para mim, nunca li nada da autora e adorei conhecer um pouco mais da obra, espero ter a oportunidade de ler em breve porque é o tipo de leitura que me atrai muito, beijos!

  • Avatar
    kênia Cândido
    agosto 05, 2019

    Oi Aninha.

    Ainda não conheço a série dos Rothwells, mas fiquei bem curiosa por causa da sua resenha e por ter mencionado que é uma história gostosa e cheia de descobertas . Vou adicionar na minha lista de desejados junto com o primeiro livro. Obrigada pela dica.

    Bjos

  • Avatar
    Dayhara Ribeiro Martins
    agosto 04, 2019

    Oi Aninha, tudo bem? É muito bacana quando uma obra nos mostra muito maior do que o que a gente esperava, as vezes algo só sobre amor não basta, precisamos de uma narrativa que fale sobre outros anseios também! Adoro essas capas e essa é uma série que morro de vontade de ler.