Posts arquivados em Tag: Cassandra Clare

12 jan, 2018

[ESPECIAL] Guia Prático: Como Ler Cassandra Clare!

Oi gente! Hoje saiu o primeiro vídeo do nosso projeto sobre a Cassandra Clare (uma das minhas autoras favoritas da vida!) e para aqueles que são novos no Mundo das Sombras eis que eu trouxe um “guia prático” de como ler as obras da Cassie sem ficar completamente perdido! Nesse post também falo um pouco sobre as próximas obras dela.

Segundo a própria autora, a melhor maneira de ler seus livros é por ordem de lançamento, assim você consegue pegar os easter-eggs escondidos dentro das histórias e é por isso que vou indicar a leitura desta forma!

Continue lendo

19 set, 2017

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #6: Cidade Do Fogo Celestial



Faz um milhão de anos que Cidade do Fogo Celestial foi lançado e eu realmente não tinha percebido que não havia postado aqui a resenha dele! Então hoje venho aqui para fazer a última resenha da série Os Instrumentos Mortais, uma série pela qual tenho um amor impossível de acreditar, que me divertiu e emocionou por anos a fio. Ainda estou tentando me convencer de que não haverá mais livros, não porque o final deixou pontas soltas ou foi ruim, muito pelo contrário: foi divino!

Para quem vai ler a resenha saibam que ela possui spoilers dos livros anteriores! E se quiser saber o que achei de Cidade das Almas Perdidas basta clicar aqui para ir direto para a resenha!



Recapitulando os últimos acontecimentos: Sebastian foi trazido de volta a vida por Lilith que ligou a vida dele à de Jace, o que acontecia com um, aconteceria com o outro no mesmo instante. Clary, Simon, Isabele, Alec e Magnus conseguiram (com muito custo!) quebrar o feitiço e agora todos eles estão tentando deter Sebastian Morgenstern, e impedi-lo de destruir todo mundo Nephilim.


Com ajuda do Cálice Infernal, Sebastian quer transformar todos os Caçadores de Sombras em Crepusculares, que são a versão maligna da raça. Ao atacar os Institutos de várias cidades ao redor do mundo e fazer os Caçadores beberem da sua versão do Cálice, Sebastian tem conseguido aumentar substancialmente seu exército.


Para tentar deter o irmão, Clary precisa da ajuda de amigos, uma vez que a Clave está ocupada demais para prestar atenção no que Caçadorezinhos têm a dizer, por isso, quando Emma, uma jovem Caçadora do Instituto de Los Angeles, diz que ouviu que Sebastian estaria em Edom, um dos reinos infernais, ela não pensa duas vezes: decide que é pra lá que vai. Mas Jace, Simon, Isabelle e Alec não a deixariam ir sozinha.


Paralelo a isso, vemos a difícil situação em que se encontram a própria Emma e seu amigo Jules, os pais da garota foram assassinados (supostamente por Sebastian!), e agora a Clave pode decidir que é melhor ela se mudar de Los Angeles. Mas Emma Castairs não quer perder mais pessoas que ama e, como boa menina teimosa que é, vai fazer de tudo para ficar com os Blackthorn (a família de Jules!) enquanto tenta descobrir se há algo mais sobre o assassinato de seus pais.


Há mistérios a serem revelados, batalhas a serem travadas. Mentiras serão descobertas e Caçadores de Sombras e Integrantes do Submundo morrerão durante a guerra que se aproxima. É possível lutar até a morte contra sua família e amigos, mesmo que estes não sejam mais eles mesmos?


Quando termino uma série que me acompanhou durante anos a fio, acabo tendo um sentimento completamente diferente, não sei nem como explicar isso. O fim de Os Instrumentos Mortais, para mim, é equivalente ao de Harry Potter, porque amo intensamente ambas as sagas de um jeito difícil de entender. Já nem sei a quantos anos conheço e sou apaixonada por TMI, anos demais pra falar a verdade, comecei quando era pra ser só uma trilogia! Quando não havia spoilers disponíveis na internet porque nem Cidade das Cinzas havia sido lançado ainda!


Não é o primeiro final da Cassie que leio, chorei tanto em Princesa Mecânica, fiquei desesperada com os acontecimentos e como tudo tinha acontecido! E depois de meses de espera, descobri que a Cassandra Clare é mestre em quebrar meu coração em pedaços e reconstruiu só para a fazê-lo em pedacinhos outra vez. Chorei boa parte das páginas de Cidade do Fogo Celestial, mas também fiquei apreensiva e ri de algumas coisas.


Diferente de qualquer outra série, e posso dizer isso com a experiência de quem já terminou inúmeras delas, o final que a Cassie trouxe está cheio de lágrimas, risos, apreensão e esperança mais que em qualquer outro livro, mesmo os outros escritos por ela. É impossível descrever como fiquei quando finalmente cheguei ao fim, que estava louca pra descobrir como seria e ainda assim não queria terminar. Pensar que esse é realmente o fim dos livros de Os Instrumentos Mortais é uma coisa que estava temerosa desde o início.


Sei bem que haverão outros livros no mesmo universo, sei que muito provavelmente irei amá-los demais mesmo, mas é que essa série agregou tanta coisa na minha vida, não falo só dos momentos acordadas no meio da madrugada que não conseguia parar de ler, TMI trouxe pessoas novas e maravilhosas e por isso sou tão grata ao universo criado pela Cassandra Clare.


Vocês podem imaginar que estou muito ansiosa para começar a ler a trilogia The Dark Artifices (não, ainda não comecei!), que terá seu seu segundo livro lançado ainda este ano, econta a história de personagens que já conhecemos: Emma, Jules, Mark e todos os outros Blackthorns e ainda poderemos rever personagens conhecidos, mas os quais não posso citar o nome porque seria um grande spoiler dos outros livros.








Título: Cidade das Cinzas | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 532
Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record


MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS
Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados


05 set, 2017

[RESENHA] As Peças Infernais #3: Princesa Mecânica



Princesa Mecânica foi a tão aguardada conclusão da trilogia As Peças Infernais e você pode conferir clicando aqui o que achei de Príncipe Mecânico. E para aquelas pessoas que ainda não leram os outros livros sugiro que pulem direto para a minha opinião pois esta resenha possui spoilers!


Diferente do que geralmente acontece nas obras da Cassie, Princesa Mecânica não começa imediatamente depois do livro anterior. Seis meses se passaram desde os acontecimentos finais de Príncipe Mecânico e Tessa faz as preparações finais para seu casamento com Jem, mesmo ainda estando com o coração dividido entre ele e seu parabatai, Will Herondale, o qual está lidando não só com a perda de seu grande amor, mas também com a repentina chegada de sua irmã mais nova, Cecily, ao Instituto.

Charlotte e o Instituto de Londres também não estão num momento particularmente bom. O Cônsul Wayland quer que ela obedeça cegamente suas ordens, mesmo que fazê-lo seja claramente a decisão errada a se tomar. Tudo só piorou quando Charlotte enviou todos os seus Caçadores atrás de um Benedict Lightwood que não mais era humano — ele havia se transformado em uma espécie de verme demoníaco por causa da Varíola Demoníaca — sem a aprovação do Cônsul, então a partir daí tudo fica ainda mais complicado. Por fim Josiah tenta fazer com que Gideon e Gabriel Lightwood, que agora moram no Instituto, traiam a confiança dela  e passem informações.

Jem que parecia estar mais forte e saudável acaba caindo de cama e isso leva seu parabatai a descobrir que ele vem tomando cada vez mais quantidades do yin fen, o veneno feito de sangue demoníaco e que é necessário para manter Jem vivo, mas que também o mata aos poucos. Ao procurar por mais da droga da qual o melhor amigo precisa, Will descobre que ela já não está mais disponível em nenhum lugar de Londres porque o Magistrado anda estocando há meses. Este por sua vez propõe um acordo: o seu suprimento quase que inesgotável da droga em troca de Tessa, claro que nenhum dos garotos sequer cogita a ideia e isso faz com que ela seja sequestrada.
Jem até tenta ir atrás de sua amada, mas está fraco demais e não consegue fazer muito — ainda mais depois de ter lutado pouco antes — e volta ainda mais debilitado para o Instituto e o que todos temiam acontece: James está morrendo. O mundo de Will desmorona ao seu redor e, graças a um deslize de Magnus Bane — que foi chamado para tentar ajudar o pobre garoto — James acaba sabendo dos sentimentos que Will tentava tanto esconder e faz com que este vá atrás de Tessa.
O que Tessa é e qual sua relevância para os planos de vingança Mortmain contra os Caçadores de Sombras? Como Will pode salvar a mulher que ama? E Jem tem alguma outra opção a não ser aceitar a morte? São muitas questões a serem consideradas e Cassandra Clare consegue dar respostas a todas elas, mas quando você acredita que uma coisa está determinada, Cassie vem com uma reviravolta de cortar nossos corações.
Mortes, lágrimas sem fim e um coração partido: no fim do livro você terá muito de tudo isso. A conclusão da trilogia é genial, eu fiquei imaginando por diversas vezes como o Magistrado seria vencido, mas sinceramente? Nunca sonhei que seria da forma que foi e aqui vemos toda a importância que o Anjo Mecânico tem, ele não é apenas um colar que a mãe da garota tinha, há muito mais por trás dele. Sem falar que é neste último livro que sabemos finalmente o que Tessa é. Claro, havia alguns indícios nos outros livros, mas a árvore genealógica da garota é muito mais surpreendente do que supomos. 
O único ponto que acredito ser uma desvantagem no livro continua sendo sua tradução, que venho deixando bem claro desde que li o primeiro livro: deixou muito a desejar! Tenha em mente que falo isso com base na primeira tiragem, de lá pra cá a Galera Record pode ter mudado, mas além de conter alguns erros no tocante as gírias, nos exemplares anteriores o nome do Church, gato que todos conhecemos em Os Instrumentos Mortais, foi traduzido para Coroinha e agora, neste último livro, voltou a ser Church. Jonathan Caçador de Sombras foi traduzido para Jonatas (no livro anterior), sem contar que a linguagem é muito menos formal que o livro em inglês, apesar disso, se você não leu o original e não tem um parâmetro para comparar pode ser que não ligue muito para esses detalhes.

Princesa Mecânica é o maior livro da trilogia e mesmo assim as 434 páginas passaram em um piscar de olhos. A minha edição (por ser a primeira!) veio com a árvore genealógica dos Lightwoods, Herondales e Castairs e como não me aguentei acabei vendo isso antes de terminar o livro e levei uns spoilers gigantescos. Não sei se a Galera Record colocou a árvore nas outras tiragens, mas torço para que a resposta seja um “sim” porque é bem interessante.

As Peças Infernais foi, do começo ao fim, uma trilogia brilhante. Os mistérios e personagens criados fazem com que a Cassandra Clare esteja bem no topo da minha lista de autores favoritos. Se você gosta de uma boa trama e elementos sobrenaturais sugiro que leia esta trilogia, ainda que não tenha lido Os Instrumentos Mortais apesar de recomendar fortemente que leiam as duas!

Título: Princesa Mecânico | Série: As Peças Infernais | Páginas: 434
Autor(a): Cassandra Calre | Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record


MAIS OBRAS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS
Anjo Mecânico | Príncipe Mecânico | Princesa Mecânica


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas (lançamento 04/09) | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS
Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados

22 ago, 2017

[RESENHA] As Peças Infernais #2: Príncipe Mecânico



Todos os fãs da série Os Instrumentos Mortais e Cassandra Clare sabem que a trilogia As Peças Infernais é uma leitura completamente indispensável, mesmo porque esse prequel é ainda melhor do que nós poderíamos sonhar.

Para quem ainda não leu (e quer ler!) a resenha de Anjo Mecânico basta clicar aqui. Àquelas pessoas que não desejam saber nada sobre a história do livro anterior pulem direto para minha opinião pois esta resenha contem spoilers dele já que este é o segundo volume de As Peças Infernais!



Depois de descobrir que Mortmain é de fato o Magistrado e que Nate, seu irmão, alguém em quem sempre confiou estava, na verdade, trabalhando para o grande vilão da história, Tessa decide permanecer no Instituto de Londres, e cooperar com os Caçadores de Sombras afim de descobrir mais sobre os planos de Mortmain que, aparentemente, tem tudo a ver com seu futuro próximo.


— Acha que porque estou doente não sou igual a… Pensa que eu não sei, que quando você pega a minha mão é só para sentir meu pulso? Pensa que não sei que quando me olha nos olhos é só para saber quanta droga tomei? Se eu fosse outro homem, um homem normal, poderia ter esperanças, até mesmo expectativas; poderia…
— É a febre falando, não você…
— Você sequer consegue acreditar que eu possa querê-la — disse quase em um sussurro. — Que estou vivo o suficiente, saudável o suficiente…



Além de suas preocupações sobre como o Magistrado e tudo que envolve a sua criação (afinal, ela não sabe o que exatamente é, apenas que é uma integrante do Submundo) ainda tem que lidar com o instável Will, nada sobre ele é fácil de compreender. Em um momento ele está distante e sarcástico e em outro ele é intenso e terno com ela, mas Tessa não quer se iludir, não depois das barbaridades que ele lhe falou no telhado duas semanas antes.



Ao tentar se afastar de Will ela se aproxima ainda mais de Jem, que é sempre gentil, carinhoso, honesto e um amigo inestimável. O problema é que ele sente muito mais do que amizade por ela, na verdade Jem está completamente apaixonado pela garota e com a proximidade que surge entre eles ela vê que pode estar sentindo algo mais também.


Paralelo a esses acontecimentos descobrimos o motivo do nosso querido Herondele ser tão cruel com as pessoas: é por causa da maldição jogada sobre ele por um demônio quando Will tinha apenas doze anos de idade (motivo pelo qual ele foge de casa). Depois de compartilhar a informação com Magnus Bane eles vão à procura de uma maneira de quebrá-la para que, enfim, ele possa se mostrar como realmente é às pessoas que ama.



Nenhuma situação é ruim o bastante que a Cassie não consiga piorar, não é? Bom, Charlotte pode perder o controle do Instituto e, consequentemente, do Conclave de Londres e todos sabem que ela vive para aquilo. E o motivo disso? Simplesmente porque o detestável Benedict Lightwood duvida que uma mulher (já que todos sabem que Henry, seu marido, não se interessa pela direção do Instituto) seja apta a ocupar uma posição que demanda tamanha responsabilidade e oferece tanto poder.

Benedict desafia Charlotte pelo controle do Instituto e, sem muitas opções, o Cônsul Wayland propõe que a atual diretora tem duas semanas para encontrar Mortmain caso contrário o pedido de Benedict poderá ser deferido. A partir desse momento começa uma verdadeira caçada ao vilão, mas eles não contam com uma coisa: há um espião entre eles. Será que Will, Jem, Tessa e todos os outros podem enfrentar o que está por vir?


Toda vez que falo de Príncipe Mecânico ainda fico meio zonza com os acontecimentos (mesmo depois de anos desde a primeira leitura!), foram tantas reviravoltas (principalmente no final!) que ainda não sou capaz de me recuperar. Algumas das revelações feitas sobre a história do Will são de partir até mesmo o coração mais duro, tem também uma cena onde ele está perto da família que não vê desde que era uma criança e então nós vemos não o Caçador de Sombras, mas o garoto que sofreu (e ainda sofre!) para proteger aqueles que ama de uma maldição que o fez e continua fazendo com que ele afaste a todos.



Jem por outro lado continua sendo o mesmo de sempre, sensível, amigo, carinhoso e paciente e neste livro ganha um destaque ainda maior, seus dramas também são aprofundados e derretem o coração de cada um. A Cassie acabou criando duas personagens que são o exato oposto na maioria das coisas então acaba agradando a todos nós. Tem alguém shippando JESSA aqui? Temos algumas cenas que vão te agradar! Team WESSA ficou triste? Não fique! Também temos cenas que vão agradar a vocês. É quase uma coisa “e viveram felizes para sempre” pra gente, só que estamos falando de Cassandra Clare, então tenham em mente que os dois times vão sofrer no final do livro (um mais que o outro).


Outra coisa que não é surpresa pra ninguém: protagonistas femininas da Cassie NUNCA são aquelas coisinhas delicadas e indefesas que precisam ser salvas a cada página. Tessa se coloca em situações de risco sim, mas o mais importante: ela usa sua inteligência para sair delas. Não fica esperando que um dos meninos a salve, a garota vai fazer o que for preciso e certo. Por falar na nossa “dupla dinâmima”, em Príncipe Mecânico temos uma explicação mais detalhada de o que exatamente significa ser parabatai de alguém, o que achei importante porque era uma coisa que me perguntava antes. 


O mistério sobre a natureza da Tessa continua um grande ponto de interrogação pra gente, mas já foram dadas algumas pistas melhores neste volume, porém está é a grande questão de Princesa Mecânica então não falarei mais nada nesta resenha sobre o assunto! Só adianto que se você ainda não leu As Peças Infernais deve se preparar para sofrer bastante nos três livros. 

— Minha Tessa. Ele se curvou para colocar a bochecha na dela. O hálito de Will na orelha de Tessa a fez tremer com cada palavra que ele dizia.
— Desejei isso — disse ele —, em todos os momentos de todas as horas de todos os dias em que estive com você, desde quando a conheci. Deve saber disso, não é?
— Disso o quê?

— Will 
— sussurrou-lhe na boca. Queria tanto que ele chegasse mais perto, era como dor, forte eirradiando um calor que se espalhava a partir do estômago até acelerar seu coração, amarrar suas mãos nos cabelos de Will e fazer sua pele arder. — Will, não precisa ser tão cuidadosamente. Não vou quebrar.— Tessa — disse com um gemido ao beijá-la, mas ela ouviu a hesitação na voz.  


Pra quem estiver interessado em ler essa trilogia e Os Instrumentos Mortais eu sugiro que leia na ordem em que os livros foram lançados, porque as duas  séries”conversam” uma com a outra. Então leiam assim: Cidade dos OssosCidade das CinzasCidade de VidroAnjo MecânicoCidade dos Anjos CaídosPríncipe MecânicoCidade das Almas PerdidasPrincesa Mecânica e Cidade do Fogo Celestial



O que posso dizer? O sol, a lua, as galáxias não são suficientes para esse livro! Para que tenham uma ideia eu terminei em menos de um dia de tão genial é a escrita da Cassie, a mulher é um gênio que adora nos fazer sofrer e o que é pior: ela nos faz aproveitar esse sentimento.





Título: Príncipe Mecânico | Série: As Peças Infernais | Páginas: 406 
Autor(a): Cassandra Calre | Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record

MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS
Anjo Mecânico | Príncipe Mecânico | Princesa Mecânica


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas (lançamento 04/09) | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS

Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados

08 ago, 2017

[RESENHA] As Peças Infernais #1: Anjo Mecânico

Era para essas resenhas terem saído a um século e meio atrás, mas já que estamos perto do lançamento de Senhor das Sombras vamos falar muito de Cassandra Clare aqui no blog. Anjo Mecânico da início a uma das minhas trilogias favoritas: As Peças Infernais! Faz alguns muitos anos que li os três livros (estou relendo agora como postei no Instagram do blog, porque deu saudade!) que foram lançados aqui no Brasil pela Galera Record e mesmo tendo passado esse tempo todo, acredito que ainda seja interessante compartilhar as minhas opiniões sobre os livros com vocês.

Theresa ou Tessa Gray vê sua vida mudar radicalmente depois que sua tia morre, órfã e com apenas um irmão vivo a menina se vê forçada a pegar um navio e ir para Londres morar com Nathaniel, seu irmão, mas quando chega lá é recebida por um colcheiro e duas mulheres, todos muito estranhos, mas como possuíam uma carta do irmão a garota decide confiar naquelas pessoas. As mencionadas mulheres são irmãs e atendem pelo nome de Sra. Dark e Sra. Black e são conhecidas como Irmãs Sombrias.
No bilhete de Nate dizia que elas seriam encarregadas de levar a garota para casa pois este estaria muito ocupado no trabalho, mas na verdade as duas senhoras sequestram Tessa e a obrigam desenvolver um dom cuja existência a garota não fazia ideia que possuia antes daquele momento. Quando ela finalmente tem controle sobre o seu dom (que na verdade é visto por ela durante boa parte do livro como uma maldição) descobre que uma figura muito sinistra conhecida apenas como o Magistrado é quem comanda suas sequestradoras e que ele tem a intenção de se casar com a jovem.

Semanas antes de Tessa chegar a Londres, dois Caçadores de Sombras, Will e Jem, acham o corpo de uma garota em um beco depois de ter sangrado até a morte, aparentemente tem um toque de sobrenatural no assassinato da jovem, então a investigação se torna obrigação dos Nephilins. É durante esta investigação que Will encontra Tessa na Casa Sombria e a ajuda a fugir de lá, eles vão para o Instituto do Londres que é comandado por Charllote e o marido, Henry (que na verdade não comanda coisa nenhuma!) e onde também vivem Jassamine e outras figuras que conhecemos melhor no decorrer do livro.

Ao demonstrar seu poder aos Caçadores de Sombras todos ficam assombrados, mas a parte que realmente intriga os Caçadores é que Tessa não apenas se  transforma de outros é o fato de que ela pode acessar as memórias da pessoa cuja aparência assumir um tipo de poder completamente desconhecido na história do Submundo e o provável motivo de o Magistrado a querer. Cheio de ação, romance e reviravoltas, Anjo Mecânico vai fazer com que você não queira parar de ler até chegar a última página.

Sou apaixonada pela forma como a Cassandra Clare escreve e cria suas personagens, fazendo todas serem de alguma forma parecidas e da mesma maneira totalmente únicos, para mim ela é uma escritora brilhante. Anjo Mecânico foi muito mais do que poderia sequer imaginar, sempre deixei claro que tinha expectativas muito altas em relação a ele quando o li pela primeira vez, mas de alguma forma a leitura se mostrou melhor do que estava imaginado e cada vez que releio parece me apresentar um fato que não tinha dado valor antes.

Toda a trama é sólida e bem construída, mas não é só isso que me chamou atenção, temos nomes muito conhecidos de Os Instrumentos Mortais, na verdade sobrenomes conhecidos… Herondele, Lightwood, Fairchild e Wayland são aqueles dos quais me recordo agora. O fato do livro se passar em 1876 é outro grande atrativo para mim, a Londres Vitoriana foi um dos fatores que me fez querer ler logo esta nova série da Cassie, mas aqui entra um problema, a tradutora não foi tão formal quanto devia na primeira edição (que é a única sobre a qual posso falar).

Preciso falar um pouquinho de alguns personagens pelos quais me apaixonei de maneira absoluta para vocês, o Will é bem parecido com o Jace quando o assunto é rebeldia e humor negro, mas é um pouco mais rude que ele, o que não gostei, mas ele também sabe ser gentil quando quer. A Tessa é uma garota forte e eu a adorei, corajosa, ligada a seus princípios e que defende o irmão de forma implacável e ao mesmo tempo é uma romântica e uma leitora voraz. Jem é sensível, doce, resiliente e me apaixonei por ele, também é um Caçador de Sombras muito hábil, um amigo leal e alguém que tenta superar uma terrível doença, algo que achei admirável. Charllote é outra mulher forte que adorei, ela comanda o Instituto sem a ajuda do marido, porque Henry aparentemente só se interessa por suas invenções. Muito corajosa e decidida para a sua idade, foi uma das personagens que mais gostei, além de ser como uma mãe ou irmã mais velha para os órfãos do lugar.

Li logo que foi lançado então por isso tenho os livros em inglês e português. A minha queixa vem no tocante a tradução (da primeira edição!), havia passagens onde o “me” vinha logo depois da vírgula e várias vezes ocorreu o erro de colocar o pronome “eu” antes do nome da outra personagem em uma conversa (algo que de jeito nenhum aconteceria naquela época pois era-se muito mais formal), por exemplo em um diálogo entre Will e Henry, o primeiro diz “eu e Henry” e isto é muito informal (até considerado errado pela norma padrão do português!), então a falta de precisão na tradução quanto ao jeito que se falava no Brasil em 1879, algo que a Cassie conseguiu colocar no livro original e por isso o inglês de As Peças Infernais é mais rebuscado (e complicado!) do que o de Os Instrumentos Mortais.

Sei que os erros acima citados parecem pequenos, mas como já disse a obra original tinha um vocabulário extremamente rigoroso (tanto que demorei para ler na época, pois meu inglês não era tão bom!). Cheguei a ver expressão contemporânea na minha versão! Sim, sou detalhista e acho que há outros leitores também são, por isso acredito que seja muito interessante falar em uma resenha este tipo de coisa e espero que os livros da segunda tiragem e seguintes tenham esse tipo de problema corrigido! É importante ressaltar que não sei se atualmente as edições continuam assim porque como disse li a primeira edição que saiu aqui no Brasil (comente e me conte se consertaram ou não essas coisas – ou se você nem notou!)

Quanto a obra em si não tenho nada do que reclamar, muito pelo contrário, fiquei numa ressaca literária horrorosa e terminei o livro em pouquíssimos dias e, devo ressaltar, Anjo Mecânico é (assim como Os Instrumentos Mortais) narrado em terceira pessoa, coisa que raramente me agrada e que dificulta a minha capacidade de ler rápido (sem mencionar o fato de que ele não é nada fininho!), mas que com a narrativa da Cassie funciona bem pra mim.

A diagramação é como a de Os Instrumentos Mortais com exceção de que aqui vamos ter logo abaixo do nome dos capítulos temos um trecho de poesia, o nome do autor e do livro, porque a Tessa é uma leitora compulsiva, fato que me fez gostar ainda mais dela, devo dizer. A capa é perfeita e acho que nem preciso comentar como fico babando por ela até hoje, mas o efeito holográfico (nome bonito pros brilhinhos!) são só na primeira tiragem mesmo.

A reviravolta desse livro é tão chocante quanto a de Cidade dos Ossos, mesmo uma sendo extremamente diferente da outra, mas vou me abster de falar qualquer outra coisa sobre ela porque não quero dar spoiler para ninguém que ainda não leu. Só mais uma consideração é necessária: mesmo sendo ambientada no mesmo universo as duas séries, Os Instrumentos Mortais e As Peças Infernais, são extremamente diferentes!

Título: Anjo Mecânico | Série: As Peças Infernais | Páginas: 392 
Autor(a): Cassandra Calre | Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record


MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER



AS PEÇAS INFERNAIS
Anjo Mecânico | Príncipe Mecânico | Princesa Mecânica




OS INSTRUMENTOS MORTAIS
Cidade dos Ossos | Cidade das Cinzas | Cidade de Vidro | Cidade dos Anjos Caídos | Cidade das Almas Perdidas | Cidade do Fogo Celestial




OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas (lançamento 04/09) | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)




THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns




THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.




THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic




SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo




OUTROS
Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados

01 jun, 2015

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #5: Cidade das Almas Perdidas



Os Instrumentos Mortais dispensa qualquer apresentação, certo? Então não o farei. Faz um tempo que li City of Lost Souls e, séculos atrás eu reli o livro em inglês mesmo, e há algum tempo que a Galera Record lançou Cidade das Almas Perdidas aqui e, como minha coleção está em português, decidi que só postaria a resenha depois que pudesse falar sobre a tradução feita.


Para quem ainda não leu os livros anteriores e não quer spoiler eu recomendo que passe direto para a minha opinião porque esta resenha possui informações de outros livros da série.



Depois de Lilith ser derrotada pela Marca de Caim todos haviam acreditado que finalmente teriam um tempo de paz, mas as coisas nunca são fáceis para esse grupo de amigos. Ao voltar ao terraço logo depois dos acontecimentos daquela noite Clary percebe que Jace e Sebastian, que estava morto-vivo em um caixão com fluidos demoníacos, não estão mais lá.

A Clave é imediatamente acionada e Clary precisa explicar algumas coisas que eles sabiam como o fato de seu amado namorado ter voltado da morte quando Valentim invocou o Anjo Raziel para destruir a Cidade de Vidro. Ter um Caçador de Sombras como Sebastian solto não é algo reconfortante porque ele representa uma ameaça real. 



O Conclave de Nova Iorque não pode mais manter a busca pelos dois depois de tantos dias pois acreditam que eles nem estejam mais na cidade, assim eles decidem parar de procurar, mas Isabelle, Alec, Clary, Simon e Magnus não desistiriam assim tão fácil de uma pessoa importante para eles (okay, não tão importante assim pro Magnus!), o problema é que não importa o quanto usem magia, o paradeiro dos dois continua uma incógnita.


Só não importa o que aconteça com Jace ele nunca poderia deixar sua amada pra trás, certo? Assim ele vai atrás dela e dessa forma o grupo de amigos descobre exatamente a extensão do feitiço de Lilith: tudo o que acontecer fisicamente com um deles, afetará o outro diretamente e em igual proporção, além disso Sebastian tem um vínculo psíquico com Jace que faz com que este faça basicamente tudo que ele deseja acreditando que seja uma atitude correta. Se ferir um ferirá o outro então como eles poderão matar Sebastian e fazer com que Jace continue vivo? 


O tempo está correndo e eles precisarão descobrir a solução para isso antes que a Clave descubra tudo e se envolva, porque para eles a vida de um jovem Caçador de Sombras, mesmo um excepcional como Jace, não é tão valiosa assim se comparada a tudo que pode ser perdido. Dessa vez eles vão precisar de uma ajuda do Céu para resolver a confusão em que se meteram, mas quanto isso pode custar?

Cidade das Almas Perdidas traz uma visão completamente nova de Os Instrumentos Mortais para o leitor. Há mais cenas Clace e isso torna o livro mais romântico, em algumas partes realmente meloso, mas também nos da algumas cenas um pouco mais picantes entre os dois, principalmente porque agora Jace está sem muitos pudores (influência do Sebby?). Pra quem shippa o casal, como eu, é bacana, mas a Cassie “errou um pouco a mão” na quantidade e isso deixou a narrativa um pouco irritante.


Por outro lado eu quase me enganei com o Sebby, minha personagem favorita desde que apareceu em Cidade de Vidro. Pra ser bem sincera ele realmente me enganou por um momento. Sebastian está mais psicótico do que nunca e isso faz dele ainda mais charmoso. Algumas coisas sobre o passado dele são revelados e durante todo o livro me peguei pensando se ele seria assim, tão mau, se não fosse pela influência negativa do pai, pra essa pergunta a própria Cassandra Clare já respondeu que Jonathan/Sebastian seria diferente se tivesse sido criado pela mãe.


Coisas que todos gostamos: ao que tudo indica Sizzy finalmente vai desenrolar, a Isabelle finalmente conseguiu admitir que sente algo pelo Simon e eles voltaram a se relacionar. O lado ruim: tem alguém aqui que shippe Malec? Para vocês eu vou logo avisando: preparem o coração porque o fim desse livro vai acabar com ele.


A tradução está boa, não li tudo porque fazia pouco tempo que tinha relido o livro, mas foi o suficiente pra poder falar, tem alguns problemas, mas é tolerável (especialmente se você não leu o texto original em inglês!) e não se perde muito. Sobre a capa: talvez seja minha favorita justamente por trazer Clace nela, realmente fico entre ela e a de Cidade do Fogo Celestial. A parte interna do livro segue o padrão dos exemplares anteriores da série e como o meu é primeira edição tem brilhos (quase tanto quanto o Magnus!).


Os últimos capítulos de Cidade das Almas Perdidas não te deixa nem piscar, tanta coisa importante acontece, tanta reviravolta que o leitor fecha o livro em choque. O gancho deixado pro próximo volume é tão espetacular que nem se a Cassie quiser consegue estragar a história. 


Para quem ainda não sabe City of Heavenly Fire, Cidade do Fogo Celestial no Brasil, sexto e último livro da série, foi lançado em abril do ano passado e chegou pouco tempo depois aqui no Brasil, claro que já li e óbvio que mais cedo ou mais tarde venho comentar tudo aqui com vocês sobre essa que foi a minha melhor leitura do ano passado.










Título: Cidade das Almas Perdidas | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 434

Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record



MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS

Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados
14 jul, 2013

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #4: Cidade Dos Anjos Caídos



Meu amor eterno por essa série é de conhecimento público. Até hoje não
consegui encontrar um defeitinho na narrativa criada pela diva Cassandra Clare e com Cidade dos Anjos Caídos não foi nada diferente, o livro é
genial! Para quem não leu os livros anteriores aviso que esta  resenha contem spoilers deles.


Cidade dos Anjos Caídos começa seis semanas depois da guerra que
aconteceu em Idris, onde Valentim tentou destruir toda a Clave e os
integrantes do Submundo com os Instrumentos Mortais (a taça, a espada e o
espelho). O vilão acabou pagando com a vida pelo seu fracasso e agora
todos estão mais felizes por não terem mais que se preocupar com ele ou
Sebastian (que na verdade é Jonathan Morgenstern, filho de Valentim e irmão biológico de Clary) e podem seguir suas vidas felizes.


É isso que todos têm tentado fazer, Jace e Clary descobriram que não
são irmãos e que podem ser felizes juntos, Jocelyn e Luke estão
terminando os preparativos para o casamento e Simon está saindo com
Isabelle e Maia (ao mesmo tempo!) e tentando não sucumbir aos instintos
de vampiro que agora fazem parte de sua natureza. Alec e Magnus estão
curtindo férias muito merecidas na Europa.

Tudo parece muito bem, mas claro que nem tudo é o que aparenta, Caçadores de
Sombras que integraram o Ciclo são encontrados mortos por diversos
pontos de Nova York. Então as coisas começa a complicar e a partir daqui e
descobrimos que a situação não anda lá muito boa para o lado do Jace
que, desde que voltou da morte pelas mãos do Anjo Raziel, anda tendo
pesadelos muito reais sobre matar Clary e isso acaba mexendo com a cabeça dele.

Também vemos a Marca de Caim entrar em ação algumas vezes quando tentam
matar Simon. E aparentemente alguém vem tramando secretamente contra os Caçadores de Sombras, mas ninguém parece ter ideia de quem seja ou o motivo disso uma vez que a guerra com Valentim terminou e a paz reina entre integrantes do Submundo e os Nephilim. Será mesmo?

Algumas pessoas acharam que Cidade dos Anjos Caídos não foi nem de
longe tão bom quanto os livros anteriores da série, a minha opinião é
que foi justamente o contrário. O quarto livro é divino! Com quase tantas reviravoltas que seu predecessor, Cidade de Vidro, este volume de Os Instrumentos Mortais me surpreendeu muito e para falar a verdade que enfartaria durante a leitura se tivesse o coração um pouco mais fraco, tamanha emoção que a Cassie provocou em mim.

O Jace não está como antes, mas isso seria impossível: passar por tudo o
que ele passou – e ainda está passando – e continuar da mesma forma. A
Clary também está diferente – de uma forma melhor -, ela ficou mais
forte e decidida eu gostei bastante disso. Simon está mais maduro, mas
continua sendo ele mesmo e isso é muito bom porque quando Jace e ele
estão conversando as risadas são garantidas para nós!

Essa capa não é a minha favorita da série, na verdade eu achei bem
feinha! Não gostei do rosto da menina aparecendo (nada bonita essa versão da Clary…), eu
preferia os modelos anteriores. Mas para compensar não tem mais aquela
frase odiosa da Stephenie Meyer que na capa, aquilo me irrita nas outras.

Para as pessoas que já tiveram a oportunidade de ler Anjo Mecânico
(Clockwork Angel), livro da outra série da Cassie chamada As Peças Infernais (The Infernal Devices), vão ter surpresas agradáveis aguardam por vocês, não
vou contar para não estragá-las, mas eu amei a ideia da Cassandra Clare,
foi bem original.

Enfim, o que eu posso dizer? Mais um final desesperador que me faz ter
vontade de correr e comprar o próximo volume da série, que é igualmente maravilhoso e surpreendente. Se eu pudesse
dava uma constelação inteira para esse livro, mas como o máximo aqui são
cinco estrelas então ele as leva.








Título: Cidade dos Anjos Caídos | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 364

Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record




MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS

Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados


01 nov, 2012

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #3: Cidade De Vidro


Já tem um tempo que eu postei a resenha de Cidade das Cinzas, se ainda não leu e for do seu interesse você pode ler clicando neste link.
Mas a questão é, eu terminei Cidade de Vidro no outro dia, isso mesmo li em um dia, e agora vim
contar para vocês o que eu achei do terceiro livro da série Os
Instrumentos Mortais.


Novamente
aviso que se ainda não leu nenhum dos volumes ou leu apenas o primeiro,
recomendo que pule direto para a minha opinião, porque é impossível
falar de uma continuação sem falar do seu volume anterior e por isso esta resenha possui spoilers.

A
forma como Cidade das Cinzas terminou foi para morrer de ódio e
curiosidade; uma amiga de Jocelyn, do tempo em que morava em Idris, fala
para Clary como despertar a mãe que está adormecida por causa de uma
poção que havia preparado para o caso de Valentim tentar algum tipo de
tortura com ela. Para achar o antídoto ela tem que ir para o país dos
Caçadores de Sombras e encontrar o feiticeiro Ragnor Fell, a única
pessoa que conhece o antídoto. O problema é que Jace não quer que ela
vá, pois Valentim está atrás do terceiro Instrumento Mortal, o Espelho
Mortal, e mesmo ninguém sabendo onde exatamente ele está, sabem que permanece em Idris o que significa que a atenção do pai estará voltada
para lá.

Além
disso, ninguém ainda tem a questão do recém descoberto dom de Clary, e isso preocupa ainda
mais Jace. A Clave poderia querer fazer alguma coisa com ela para
descobrir o motivo de uma garota que nem ao menos foi treinada como uma
Caçadora de Sombras, pode criar novos símbolos ou deixar mais poderosos aqueles que já existem. Como se já não bastasse, Jace também mentiu para a
Clave sobre como o navio de Valentim realmente se desmanchou enquanto
invocava a horda de demônios em Nova Iorque e isso pode trazer sérios
problemas para ele.



Para
impedir a ida de Clary, seu irmão resolve que vai pedir a ajuda de
Simon para enganar não só a garota como também os Lightwood, que haviam
concordado com a ida dela para Idris. Antes que Simon pudesse tomar uma
decisão os Renegados atacam e ele é levado para Alicante, única cidade de Idris, pelo portal. Ao
chegar no Instituto e notar que se encontra vazio, Clary se desespera
porque não foi para Alicante e Magnus que tinha aberto o portal não pode
fazê-lo de novo, então ela mesma cria um e vai, ao tentar impedi-la,
Luke é arrastado junto com a garota.



Clary chega ao Lago
Lyn, lugar de onde saiu o Anjo Raziel com os Instrumentos Mortais, e
acaba ficando muito doente porque as águas do lago são amaldiçoadas. Luke a leva
para a casa de Amatis, sua irmã, onde ela recebe o devido tratamento e
começa a se recuperar. A primeira coisa que Clary faz ao se sentir
melhor é tentar ver Jace, e quando chega à casa onde ele está hospedado
não é tratada muito bem por todos, exceto pelo lindo e misterioso
Sebastian. Depois de alguns acontecimentos, diga-se de passagem bem
revoltantes, Sebastian e Clary procuram juntos pelo feiticeiro Fell, mas
no lugar dele Clary encontra Magnus que conta para ela como acordar a
mãe. O problema é: a garota vai precisar da ajuda do irmão a qual pode não ser dada de boa fé. O que aguarda os jovens Caçadores de Sombras em Cidade de Vidro é perigoso, assustador e eletrizante!



Na resenha de Cidade das Cinzas eu disse como o livro é maravilhoso e que eu tinha gostado demais da leitura, que tinha ficado com muita vontade de ler Cidade de Vidro.
Não estava mentindo, mas eu com certeza não esperava tanta coisa deste
livro, cada passagem, cada cena me prendia de uma forma impressionante e
o amor pelo meu Jace cresceu ainda mais e agora tenho certeza de que nenhum personagem consegue ser melhor que ele, nem
mesmo o Patch (Sussurro)… Além disso, eu vi o Valentim se tornar meu vilão mais
amado e mais odiado, ele superou o Voldemort (Harry Potter), algo que eu não achava ser
possível.





Eu sei que acha que só quero ficar com você para… para mostrar a mim
mesmo o monstro que sou — disse ele. — E talvez eu seja um mostro. Não
sei a resposta para isso. Mas o que sei é que mesmo que haja sangue de
demônio em mim, há sangue de humano também. E eu não podia amá-la desse
jeito se não fosse pelo menos um pouquinho humano. Porque demônis
querem. Mas não amam. E eu…



Depois
dessa citação eu não posso deixar de mencionar o seguinte: se eu não
tivesse me apaixonado pela histórias e personagens lá em Cidade dos Ossos isso
seria completamente inevitável agora, o desespero dele e dela nesta
cena é quase real e acredite quando digo que você vai sofrer junto com os dois. Cidade de Vidro é um livro é mais
carregado de emoção que os anteriores, Jace já não é mais o mesmo, e
certos acontecimentos arrancaram lágrimas dos meus olhos, aliás uma
parte anterior a esta me deixou extremamente triste, não conto mais
porque se não vai ser spoiler.



Não achei possível encontrar pontos negativos na narrativa,
não consigo ver algo prejudicial à narrativa que possa ser mencionado
nesta resenha, de forma que fico até receosa em julgar minhas próximas
leituras depois de ter lido Cidade de Vidro. Cassandra Clare colocou nas  páginas as doses certas de romantismo, ação e cada mínima linha do livro
parecem ter sido minimamente pensadas fazendo assim que nada fique
sobrando e deixando a desejar.



A diagramação é idêntica
ao do exemplar anterior, o que muda, um pouco, é o material da capa. O único problema do livro vem na revisão que contém alguns erros de português, mas não são um número exorbitante que cheguem a prejudicar a leitura. Tem mais uma mudança também na capa, agora nós temos o efeito de
vidro quebrado (holografia, para ser mais precisa!) nela, que eu achei bem legal, mas me deixa um pouco
tonta se ficar olhando continuamente.



Cidade de Vidro foi direto para a minha lista de favoritos com cinco estrelas e se tratando de uma série preciso deixar claro que tem havido uma clara melhora na qualidade dos livros, nenhum é ruim, mas é que eles vão melhorando! Já estou lendo Cidade dos Anjos Caídos e posso dizer que estou amando e em breve devo trazer a resenha para vocês










Título: Cidade de Vidro | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 474

Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record




MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS

Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados
26 ago, 2012

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #2: Cidade das Cinzas



Para quem não sabe, essa é a minha série de livros favorita, ganhando inclusive de Jogos Vorazes (não me matem!). Conheci o primeiro livro, Cidade dos Ossos, antes mesmo de ser lançado e comprei-o assim que chegou às livrarias, devorei em um dia! Quando ganhei Cidade das Cinzas quase morri do coração, estava completamente louca para saber como a estória continuava… Eu li, e fiquei completamente embasbacada com ele.


Para quem ainda não leu Cidade dos Ossos e não deseja spoilers, recomendo que leia apenas a minha opinião lá no fim da resenha, porque o corpo dela contem alguns, vou colocar o mínimo de coisas sobre Cidade das Cinzas, para que quem ainda não leu possa ser surpreendido, mas também sugiro que se não deseja spoilers leia apenas a minha opinião.

O segundo livro da série (antes trilogia) Os Instrumentos Mortais, começa uma semana depois de onde Cidade dos Ossos parou, a confusão com Valentim e da descobertas de que Jace e Clary são filhos dele e quais são os planos do pai, ainda pairam sobre ambos. Jace ainda não consegue ver Clary como uma irmã, ela por sua vez começa a se envolver com Simon para tentar esquecer o irmão. Agora, ela mora com Luke, o amigo lobisomem que ajudou em sua criação, porque sua mãe continua em coma.; Jace por sua vez, encontra-se no Instituto, tentando levar a vida de sempre, matando criaturas do Submundo com a ajuda de Alec e Isabelle.

— Bem, eu não vou beijar o mundano — disse Jace — Prefiro ficar aqui para sempre e apodrecer.
— Para sempre? — disse Simon — Para sempre é muito tempo.
Jace ergueu as sobrancelhas.

— Eu sabia — disse ele — Você quer me beijar, não quer?



Aí eu fiquei pensando: “a situação não pode piorar”, errado! Com a chegada da mãe deles, Maryse Lightwood que, diga-se de passagem, não acredita em uma só palavra de Jace, e da Inquisidora, que tem uma história bastante sombria envolvendo sua família, O Ciclo e portanto Valentim, as coisas realmente começam a desandar feio, mas se você está achando que acabou, está muito enganado. Valentim roubou o segundo Instrumento Mortal, a Espada do Anjo, e mortes misteriosas de crianças do Submundo podem colocar fim aos acordos de paz que a Clave tenta manter a todo custo.


Depois da morte de uma criança fada, Jace, Isabelle, Clary e Simon vão à corte Seelie, a convite da rainha, e lá, Jace e Clary, descobrem que não sabem tudo a respeito de si mesmos e que os sentimentos de um pelo outro não mudou, por mais que eles sejam completamente impróprios, para dizer o mínimo! Não posso me esquecer de que o relacionamento entre Alec e Magnus Bane tem estado cada mês mais presente na trama, bem como o próprio feiticeiro.


O que eu posso dizer sobre esse livro? Acho que emocionante, inacreditável, espetacular, surpreendente e quaisquer outros adjetivos não seriam o bastante, se você leu e gostou de Cidade dos Ossos, ele é bem fraquinho perto de Cidade das Cinzas, o que é um elogio e tanto… Enfim, o que quero dizer é que este é um livro que, independentemente do seu estilo de leitura favorito, você precisa ler, na verdade a série Os Instrumentos Mortais é aquele tipo de obra que considero completa, drama, comédia, ficção, ação, romance são elementos que estão presentes em cada uma das páginas.

— Possivelmente — disse Jace — E é por causa disso que você decidiu que seu velho amigo Simon é uma boa distração?
— Não é assim — disse ela — Eu amo Simon.



Não consigo encontrar nenhum defeito na história da Cassie, o que não é lá muito comum, acho que as personagens foram construídos de maneira brilhante, a história é completamente inédia, sem aqueles clichês que cansam muito, pelo menos a mim! Mas eu tenho um problema sim com esse livro, o material da capa é um horror! Ela vai “empenando”, nas beiradas de cima e de baixo, o que faz com que ela se pareça mais com uma rampa daqueles skates de dedo do que com a capa de um livro, e eu acredito que como uma das séries mais rentáveis da editora, a Galera Record poderia muito bem melhorar isso. Se com o seu exemplar não aconteceu isso, pode ter certeza que eu te invejo muito!


A diagramação do livro é simples, mas acho que é exatamente por este motivo que chama a minha atenção, o simples sempre me agradou muito e, não raras ocasiões, me deixaram muito mais encantada que algo muito mais rebuscado. Cada capítulo tem um nome, que está escrito com a mesma fonte do título do livro na capa, assim como a primeira frase de cada capítulo. Como eu disse, simples mas encantadora.


Jamais daria a Cidade das Cinzas uma nota inferior a cinco estrelas, não porque sou boazinha, mas porque a obra é maravilhosa demais para receber uma nota que seja inferior a esta, na verdade, ainda acho cinco estrelas pouco, mas é a quantidade máxima que posso dar. Espero que tenha incentivado pelo menos uma pessoa a ler este livro, se isto tiver acontecido já fico muito feliz.










Título: Cidade das Cinzas | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 406

Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record


MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS


Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados
20 ago, 2012

[RESENHA] Os Instrumentos Mortais #1: Cidade Dos Ossos



Eu nem sei bem como começar essa resenha, Cidade dos Ossos é um livro que dispensa apresentações e que também marca presença na minha lista de favoritos faz muitos anos. Esse é um daqueles livros que já reli tantas vezes que fica difícil não falar logo de cara “leia porque, nossa, é muito maravilhoso!”, mas vou tentar.



No primeiro livro (de seis!) da série Os Instrumentos Mortais somos apresentados a Clary, uma adolescente de 15 anos que presencia um assassinato em uma boate onde estava com seu melhor amigo no Halloween, mas tem um probleminha aqui: aparentemente ninguém mais é capaz de enxergar os criminosos cobertos por tatuagens e carregando armas completamente estranhas!


Assustada Clary volta para casa tentando se convencer de que o que vira não era real. No dia seguinte recebe o aviso de Jocelyn, sua mãe, que elas vão passar uma temporada longe de Nova Iorque, no sítio de Luke, um velho amigo da mãe e o mais próximo de um pai que a garota conhece. Óbvio que a ideia de passar as férias isolada não agrada em nada a adolescente que decide sair com Simon, seu melhor amigo, para um café com poesia e é bem neste momento que ela vê um dos assassinos de novo, que ela vem a descobrir se chamar Jace um garoto loiro, alto, todo tatuado e totalmente sarcástico.


Ao conversar com ele Clary descobre que não é uma simples Mundana, termo usado para designar humanos comuns. Ela possui o dom da Visão e é isso que a faz ver através das magias que encobrem o Mundo das Sombras, o qual abriga criaturas sobrenaturais como lobisomens, vampiros, fadas, demônios, anjos e Caçadores de Sombras (humanos que possuem sangue de anjo ou Nephilim). 


Nada disso parece real e, quando sua mãe é misteriosamente sequestrada, Clary se vê perdida no meio deste novo mundo fantástico e sombrio em busca de um objeto sagrado para os Caçadores de Sombras ao lado de três Nephilins para salvar não apenas Jocelyn, mas toda uma raça que até pouco tempo ela não sabia que existia, de um homem que todos pensaram estar morto. Muitas surpresas aguardam a jovem Clary nesta jornada e segredos do passado de sua mãe vem a tona quando ela menos espera, tornando o seu amor por um jovem Caçador de Sombras proibido.


Eu fiquei horas aqui, tentando escrever essa resenha. Parei, apaguei e comecei tudo de novo pelos menos umas seis vezes porque é impossível falar de Cidade dos Ossos de maneira objetiva e às vezes eu fico presa entre o que gostaria de dizer e o que de fato digo e o porquê disso é bem óbvio: eu sou completamente apaixonada por essa série então minha objetividade fica de lado quando se trata de Os Instrumentos Mortais.


A primeira vez que li este livro, lá em meados de 2008, ele mal era conhecido (certamente não no Brasil!) e por isso eu fiquei muito feliz quando foi publicado aqui pela Galera Record. Sempre achei que o sucesso estrondoso de Os Instrumentos Mortais era não só esperado como justificável.


Apesar de todos se irritarem com a Clary, gosto dela. O motivo é bem simples: ela foi a primeira personagem de um livro que eu li e que não estava atrás de um cara e/ou sofrendo por ele. A jornada dela é para salvar a mãe e no meio do caminho ela acaba se apaixonando. Sem contar que o jeito meio moleca e nada delicado gerou uma identificação praticamente instantânea da minha parte.


Eu caí de amores pelo Jace, e o Alec (um dos Caçadores de Sombras da boate) me irritou no começo da leitura, assim como sua irmã, Isabelle (outra Caçadora de Sombras que também estava na boate). Com o passar da leitura e, especialmente, conforme evoluí na série, entendia as motivações de cada um e eles foram se tornando os meus personagens mais queridos da trilogia junto com o Simon.


Que aliás, por falar em Simon, eu sempre vi um pouco de mim nele também. Toda a “nerdice” dele é tão fofa que fica impossível não cair de amores por ele logo no começo do livro. Ainda que você não torça Climon (Clary e Simon) você torce pela amizade dos dois (e pode até sentir uma certa invejinha!)

 Cassandra Clare sabe apresentar o seu mundo e personagens, assim como domina a arte de fazer um leitor sofrer como ninguém. Pensem aqui comigo: quando li Cidade dos Ossos (em inglês!) o segundo livro, Cidade das Cinzas, ainda não havia sido lançado, então nada de spoiler. Durante esse tempo todo tive que sofrer com a possibilidade de shippar um incesto! Sério, foi total e completamente DESESPERADOR!











Título: Cidade dos Ossos | Série: Os Instrumentos Mortais | Páginas: 476
Autor(a): Cassandra Clare Tradutor(a):  Rita Sussekind | Editora: Galera Record


MAIS DO UNIVERSO SHADOWHUNTER


AS PEÇAS INFERNAIS


OS INSTRUMENTOS MORTAIS


OS ARTIFÍCIOS DAS TREVAS
Dama da Meia-Noite | Senhor das Trevas | Queen of Air and Darkness (sem data de lançamento)


THE LAST HOURS
Chain of Gold (previsto para o final de 2018) | Chain of Iron |Chain of Thorns


THE WIKED POWES (sem títulos ou prevista para depois de 2021) 
Esta trilogia se passará 25 anos depois dos acontecimentos de As Peças Infernais.


THE ELDEST CURSES
The Lost Book of the White | The Black Volume of the Dead | The Red Scrolls of Magic


SPIN-OFF 
As Crônicas de Bane | Contos da Academia de Caçadores de Sombras | O Códex dos Caçadores de Sombras | Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo


OUTROS

Grafic Novel de Cidade dos Ossos | Mangá de As Peças Infernais | Livro de Colorir de Os Instrumentos Mortais | Caçadores de Sombras e Seres do Submundo | Guias Ilustrados