Posts arquivados em Tag: Editora Globo ALT

07 fev, 2020

[RESENHA] Duff

Oiii seus lindos, hoje vim contar para vocês um pouquinho sobre Duff, este livro que eu estava mais do que ansiosa para ler, principalmente depois de assistir ao filme, e fico feliz em dizer que estou amando os dois e que o livro é maravilhoso! Com uma história super envolvente e apaixonante. E sem mais delongas, vamos aos fatos que provocaram tanto amor!

Continue lendo

07 nov, 2018

[RESENHA] A Fúria E A Aurora

Oiii gente, hoje eu vim contar para vocês sobre o livro A Fúria E A Aurora, da autora Renée Ahdieh, que foi lançado pela editora Globo Alt. Se quiser saber mais sobre a obra, continue lendo. 

Continue lendo

11 jul, 2018

[RESENHA] Rua Do Medo #52: Jogos Macabros

Oiii gente, hoje eu vim falar para vocês sobre o livro Jogos Macabros, quinquagésimo segundo (você não leu errado não!) volume da série Rua do Medo, do R. L. Stine, lançado a alguns anos pela Editora Globo Alt

Rachel Martin é uma jovem de dezessete anos, que trabalha
meio período em uma lanchonete, o Lefty’s. Por ser perto do colégio, é o
preferido dos alunos, assim, ela serve vários colegas diariamente, entre esses
colegas está Brendan Fear, um garoto gentil e simpático, que mesmo sendo
tímido tem muitos amigos e que possui um histórico familiar muito único.

Acontece que todos na cidade
conhecem os Fear, eles são uma família que tem um passado aterrorizante, cheio de histórias que incluem assassinatos, bruxaria, maldições e tudo de aterrorizante que as pessoas provavelmente podem pensar. 
Rachel tem uma queda por Brendan e, quando é convidada para
sua festa exclusiva de aniversario na ilha do Medo, ela aceita sem pensar,
ignorando completamente os fatos ocorridos logo após o convite e aos avisos dos
amigos.

Brendan se mostra um ótimo anfitrião, na sua festa, onde o muito ainda é pouco, e que promete ser inesquecível. Quando um jogo de caça ao tesouro
começa, todos estão rindo e se divertindo, mas esta diversão pode acabar a
qualquer minuto, pois o jogo traz surpresas terríveis para os participantes e só há um jeito de vencê-lo. Ser o último a permanecer vivo.
O livro é todo narrado em primeira pessoa pela Rachel e fiquei
um pouco decepcionada por não ter o ponto de vista dos outros personagens, em
especial do Brendan, que foi o personagem que mais me chamou a atenção no livro, acredito que mais de uma perspectiva nesse caso enriqueceria a trama.

A Rachel é uma menina água com açúcar que só quer uma
paquera. Ela é o tipo de personagem que escuta um barulho e vai atrás (clichê de
terror!
), que se importa mais com o sorriso do Brendan do que com os amigos
morrendo. Eric foi o personagem que mais me fez rir no livro, ele é o típico
garoto que se acha mais engraçado do que realmente é, mas isso acabou me
fazendo achar muita graça nele, com todas as piadinhas e cantadas sem graça. A
Amy, a melhor amiga da Rachel, é supersticiosa e acredita em todas as lendas
sobre a família Fear, mas apareceu bem pouco na trama. 



Como a narrativa é muito focado na Rachel, o Brendan, que é o
dono da festa, da mansão e tem uma história familiar misteriosa e instigante,
mal tem espaço, assim como outros personagens. Mas nem por isso o
livro deixou de ser bom, o autor não deixou nenhum ponto solto na história, algumas
coisas no início da trama, sem que você saiba, te dão um spoiler do final,
spoilers dados pelos próprios personagens, em forma de deboche e brincadeira, o que foi algo simplesmente incrível.
A diagramação é simples e com folhas amareladas, cada capítulo tem uma frase ou uma palavra que o descreve, o que eu particularmente amo, a arte da capa passa uma sensação sombria, mas não deixa de ser incrível. Eu me apaixonei pelo livro assim que comecei a ler, a história flui com tanta facilidade que é quase impossível você não tentar dar um de Sherlock Holmes e começar a especular sobre os mistérios.

Todos os assassinatos são relacionados a jogos como
explicação para as mortes, Twister e Forca são dois deles, o que eu achei muito
criativo, a cada bilhete eu ficava mais ansiosa para saber qual seria a próxima
vítima. A ideia do autor é bem incomum e ele soube realmente trabalhar isso na obra de uma forma bem interessante.
A Rachel sempre dava ataques de histeria, o que me deixava
nervosa com ela, várias vezes ela saia correndo de perto do grupo e se metia em
lugares piores do que os anteriores, a capacidade lógica dela me deixava
intrigada e isso foi um grande ponto negativo dentro da trama para mim.


Sobre essa questão de ele ser o 52º volume da série Rua do Medo quero dizer que você pode pegar para ler sem medo, a história tem início, meio e fim e mesmo que a Globo Alt não lance nem mais meio livro dela você não ficará decepcionado(a) por não ter uma continuação. O que é uma coisa realmente boa!

Quando eu peguei o livro, a minha ideia era que fosse apenas
terror, porém, achei a obra mais de ação do que de terror. É engraçado como
o autor consegue fazer o leitor de bobo, fiquei extremamente indignada
quando descobri a verdade, eu nem sequer desconfiava o motivo das mortes. Então se você gosta de um livro de ação com o pezinho no terror pode apostar em Jogos Macabros.
Título: Jogos Macabros Série: Rua do Medo Páginas: 280 | Autor: R. L. Stine 
Tradutora:  Alice Klesck  | Editora: Globo Alt | Ano: 2016
07 fev, 2017

[RESENHA] Starcrossed #1: Meu Romeu



Não sei quanto tempo faz que um romance me arrebatou de maneira tão completa, no mínimo há vários meses, talvez tenha muito mais tempo que isso. O fato é que Meu Romeu acabou sendo um daqueles livros que fazem o leitor suspirar, ficar com raiva, rir (e eu ri muito mesmo durante essa leitura) e se apaixonar junto com suas personagens.



Cassie Taylor é uma jovem atriz aclamada pela crítica e que acaba de ser escolhida como a protagonista de uma nova peça que estreará em poucas semanas na Broadway, uma bela mulher com uma bela vida é o que parece. Mas nada é tão perfeito assim, na verdade a situação de Cassie pode ser chamada de tudo, menos perfeita. Estrelar a peça vai ser um sonho, mas este sonho não incluía ter como par romântico o ex-namorado famoso e pelo qual ainda é loucamente apaixonada, mesmo depois de três anos separados.

Não ajuda o fato de que ao entrar no teatro para o primeiro ensaio ela notar que Ethan Holt está ainda mais insanamente lindo do que quando eles estavam juntos. Para tentar manter as aparências (e se acalmar!) ela acaba saindo para fumar e lógico que o inoportuno ex a segue e, assim, temos uma reviravolta importante: apesar de ele ter sido aquele que decidiu terminar o relacionamento três anos antes, agora Ethan a quer de volta e está mais que disposto a ser o que ela precisa.

Cassie por sua vez não sabe bem no que acreditar. Ela adoraria poder ser completamente feliz de novo, mas por outro lado não sabe mais como confiar nele, uma vez que durante o tempo em que estiveram juntos Holt não era o cara mais sensato do planeta, o que tornava o relacionamento muito difícil, sem contar que ele a abandonou. O medo de se jogar de novo e sair ainda mais quebrada do que da última vez torna a situação apavorante para a jovem.

O problema é que essa situação mal resolvida entre eles está interferindo na atuação e ambos precisam solucionar isso. Cassie está determinada a não cair de novo na conversa de Ethan, que por sua vez está determinado a ter a mulher que ama de volta. Entre idas e vindas, lembranças e desejos, Cassandra precisa encontrar um ponto de equilíbrio para que ao menos possam trabalhar juntos. Mas será que ela consegue ignorar a história deles e, principalmente, a paixão ardente que existe até hoje?

Eu me envolvi bastante com a história da Cassie e do Ethan, durante a leitura me pegava pensando “menina você não é normal” ou “deixa de ser babaca Ethan!” “ai meu Deus isso não tá acontecendo” de tão envolvida que acabei ficando com a história do casal. Diversas vezes me senti agoniada e outras tantas pensei que jamais seria capaz de fazer ou falar algo como a Cass. 

O fato de o romance acontecer em dois momentos distintos mostra a evolução das personagens. Durante a maioria esmagadora dos capítulos temos partes que acontecem no passado e no presente, então fica mais fácil entender como é que se desenrolou o romance deles e o quanto são diferentes em cada tempo. Achei que a autora foi genial nesse sentido.

Pessoal, a Cass é uma personagem extremamente bem construída e muito, mas muito hilária mesmo e as cenas cômicas são tão bem escritas que você realmente acha que aquilo pode ter acontecido. Na verdade o livro todo é assim. Ethan por sua vez é alguém muito centrado e emocional, ele me passou durante toda leitura a sensação de ser real.

A única coisa que me incomodou durante a leitura foram os erros que encontrei, às vezes na diagramação (a frase tinha que ser um parágrafo, mas continuava na frente, às vezes dava a impressão de ser uma frase do diálogo, quando na verdade não era). Além disso, encontrei erros de português e alguns termos que não entendi muito bem por terem sido traduzidos como gírias específicas de alguma parte do país talvez, nesse sentido lembro de uma que se repetiu a palavra colhão durante algumas páginas e não tenho a menor ideia de o que significa.

Já li Minha Julieta e estou para começar o terceiro (Coração Perverso), a continuação, e posso dizer que pela forma como Meu Romeu terminou estou pra lá de ansiosa com essa sequência. Minhas expectativas estão nas nuvens e espero de verdade não me decepcionar.




Título: Meu Romeu | Série: Starcrossed | Páginas: 407

Autor(a): Leisa Rayven Editora: Globo Livros