Posts arquivados em Tag: Lisa Kleypas

27 fev, 2019

[RESENHA] Os Hathaways #5 Paixão Ao Entardecer

Oiii gente, chegou o dia de eu contar para vocês sobre o livro que eu estava super ansiosa para ler, o quinto volume da série Os Hathaways, da maravilhosa Lisa Kleypas, lançado pela Arqueiro. Continue lendo para conferir essa história incrível. 

Continue lendo

30 jan, 2019

[RESENHA] Os Hathaways #4 Manhã de Núpcias

17 out, 2018

[RESENHA] Os Hathaways #3: Tentação Ao Pôr Do Sol

Oiii gente, hoje eu vim contar para vocês sobre o terceiro livro da série Os Hathaways, Tentação Ao Por Do Sol, escrito pela Lisa Kleypas, e lançado há alguns anos pela Editora Arqueiro. Já postei as resenhas dos livros anteriores. Se quiser saber mais sobre essa obra, continue lendo.

Continue lendo

14 ago, 2018

[RESENHA] As Quatro Estações Do Amor #2: Era Uma Vez No Outono



Oi gente! Hoje vamos voltar a conversar sobre romances de época e sobre a série As Quatro Estações do Amor da Lisa Klaypas e lançado pela Editora Arqueiro. Para quem não sabe já postei a resenha do primeiro livro e você pode conferir clicando bem aqui. Agora vou falar das minhas impressões sobre a história da Lillian e seu Marcus, o Conde de Westcliff, então vem comigo saber o que achei de Era Uma Vez No Outono!

Continue lendo

08 ago, 2018

[RESENHA] Os Hathaways #2: Sedução Ao Amanhecer

Oiii gente, hoje eu vim falar com vocês sobre o livro Sedução ao Amanhecer, o segundo livro da série Os Hathaways, da autora Lisa Kleypas, lançado pela Editora Arqueiro. Para saber minha opinião, continue lendo. 

Continue lendo

04 jul, 2018

[RESENHA] Os Hathaways #1: Desejo À Meia-Noite


Oii gente, meu nome é Mirelly e sou a nova resenhista do Paraíso Literário, se quiser saber mais sobre mim é só clicar aqui! Hoje eu vim falar para vocês sobre o primeiro volume da série Os HathawaysDesejo à Meia-Noite, da Lisa Kleypas e lançado pela Editora Arqueiro.
Amelia Hathaway é a segunda filha mais velha de cinco
irmãos, aos quais se dedica dia e noite desde a morte de seus pais, uma tarefa fatigante,
pois seu irmão mais velho, Leo, passou por uma drástica mudança e começou a se
meter em brigas e a desperdiçar o casto dinheiro herdado pelo título com jogos,
bebidas e mulheres.

Os sumiços repentinos de Leo rendem várias buscas pela
cidade, feitas por Amelia e Merripen, um cigano que foi salvo pelos pais da jovem e que mora com a família desde então. Em uma dessas buscas, ela conhece
Cam Rohan, um Rom, metade cigano e metade irlandês, que trabalha em um clube de
jogos. Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia perdeu as esperanças de
encontrar um amor e se casar, mas ela não consegue esconder a atração que sente
pelo rom misterioso.

Cam, por sua vez, está cansado de sua vida de gadje, palavra
que se refere às pessoas fora de suas raízes ciganas, nada mais o satisfaz,
nenhuma mulher, nenhum lugar, ele não consegue mais viver sobre um só teto e
nada parece deixá-lo feliz, mas quando vê Amelia, isso logo começa a mudar, e
ele passa a ter sentimentos nunca antes sentidos por qualquer mulher.

Com preocupação demasiada na família, Amelia fica aliviada só
de pensar que nunca mais voltará a ver Cam. Quando ela se muda com a família
para uma nova propriedade em Hampshire, pensando que as coisas iriam finalmente
tomar o rumo desejado, a jovem não poderia imaginar que esbarraria com aquele homem perturbador, que
está hospedado na casa do conde de Westcliff, cuja mansão é perto da
propriedade dos Hathaways.

Gente, eu fiquei tão empolgada quando descobri que esse
livro era do Cam, porque ele foi um dos meus personagens preferidos em Pecados
no Inverno, terceiro livro da série As Quatro Estações do Amor, inclusive na época que estava lendo esses livros fiquei muito triste quando peguei o quarto volume da coleção e vi
que não tinha nem vestígios dele. Fiquei muito confortável com esta obra pelo
fato de o cenário e de alguns personagens serem os mesmos dessa outra série da Lisa (que eu simplesmente amei!).

Mas confesso que senti uma certa decepção em relação a esse
livro, eu achei a historia bem fraca, a Lisa poderia ter explorado mais os dois
lados do Cam (cigano e irlandês!), acho que daria um up na história. Os capítulos se focaram muito na Amelia, o tempo
todo ela arrumava um novo problema, os sumiços do Leo eram muito cansativos e
frequentes, parecia que a autora não tinha mais história para escrever.

A Amelia começa o livro como uma mulher decidida e pronta
para se sacrificar pela família, mas ao longo do livro, o orgulho dela foi me
cansando, nada nunca estava bom para a personagem. O tempo todo ela recusava as
investidas de Cam, que estava disposto a tudo para agradá-la, em alguns
momentos ela parecia envergonhada do relacionamento com ele (o que eu entendo, por
ele ser cigano e não ser bem aceito na sociedade londrina
), mas mesmo
entendendo, isso me fez gostar menos da história.

O Cam é o meu personagem preferido no livro, ele tem um dos
melhores sensos de humor do mundo, é sagaz e sempre tem uma resposta pronta para
tudo. Acho que o que mais me cativa nele é o fato de prezar tanto as suas raízes e a sua liberdade, uma construção bem diferente da maioria dos mocinhos de romances de época.

O romance do Cam com a Amelia começa muito divertido e apaixonante,
o Cam sempre tem brincadeiras para estressá-la, é incrível, mas depois de um
tempo, começa a esfriar em questão de sentimentos, e deixa o romance meio
fútil o que sem dúvida nenhuma me decepcionou muito.

O que deixou o livro
divertido foram os personagens ao redor de Amelia, como a irmã mais nova dela,
Beatrix, rendeu boas risadas a mim, com todas as suas brincadeiras e piadas,
tiveram cenas em que eu me diverti e me senti novamente apaixonada com o Marcus
e a Lilian, o romance deles citado no livro, que foi bem pouco, me pareceu bem
mais instigante do que todo o romance do Cam e da Amelia.

Merripen foi outro personagem que me interessou bastante,
ele também é cigano, tem uma história bem incomum e é exatamente o oposto de Cam, sendo bem mais
calado e na dele, o homem tem um senso de lealdade incrível com a família Hathaway, então espero um livro sobre ele também.



A arte da capa é maravilhosa, uma das capas mais lindas da minha estante, é uma pena que eu não tenha gostado tanto da história. A diagramação é bem simples e as folhas desta edição são amareladas, o que facilita muito que a leitura flua de uma maneira melhor. Espero que os outros livros da serie se mostrem melhores, estou louca para ler o livro do Merripen e da Beatrix.

Sempre achei a escrita da autora muito cativante, mas nesse
livro, me cansou, tiveram capítulos muito superficiais, alguns problemas foram
muito mal resolvidos, cheguei a ter que ler o capítulo outra vez para tentar
entender o que estava acontecendo, achei a história cheia de buracos.

Título: Desejo À Meia-Noite  Série: Os Hathaways Páginas: 272 | Autora: Lisa Kleypas  

Tradutora:  Livia de Almeida  | Editora: Arqueiro | Ano: 2013


SÉRIES DA AUTORA

OS HATHAWAYS
Desejo À Meia-Noite  | Sedução Ao Amanhecer | Casamento Hathaway | Tentação Ao Pôr Do Sol | Manhã De Núpcias | Paixão Ao Entardecer 

AS QUATRO ESTAÇÕES DO AMOR
Segredos De Uma Noite De Verão  | Era Uma Vez No Inverno | Pecados No Inverno 
Escândalos Na Primavera | Uma Noite Inesquecível | Paixão Ao Entardecer 

THE TRAVIS FAMILY
A Protegida  | A Redenção | A BuscaBrown-Eyed Girl (ainda não publicado aqui)

05 jun, 2018

[RESENHA] As Quatro Estações Do Amor #1: Segredos De Uma Noite De Verão

Oi gente! Hoje vamos começar o especial do mês dos namorados aqui no site (não sabe do que estou falando? Então clica aqui!), e para isso escolhi compartilhar com vocês a minha opinião sobre o livro Segredos de Uma Noite de Verão da Lisa Kleypas que foi lançado lá no longínquo ano de 2015 pela Editora Arqueiro e que vinha acumulando poeira (brincadeira! Tava bem guardadinho!) na minha estante até recentemente quando tive um surto e decidi ler todos os meus romances de época! Então continue lendo e descubra o que achei.



Annabelle Peyton é uma das mulheres mais lindas de Londres, mas com uma família arruinada e ela não possui dote algum, motivo pelo qual não conseguiu nenhuma proposta ainda, quer dizer, nenhuma proposta decente. Ninguém parece querer se casar com a jovem, mas tê-la como amante parece ser extremamente atraente para nobres aristocratas ou não, em especial para o senhor Simon Hunt, um rico mercantilista que não tem nenhuma gota de nobreza no seu sangue e também não age de maneira nada cavalheiresca.


Annabelle e Simon possuem um segredo que compartilham: um beijo roubado, anos antes, e sobre o qual os dois jamais falaram ou tampouco esqueceram. Mas a cada baile que o Sr. Hunt a tira para dançar ela recusa enfaticamente, deixando claro que não tem interesse nenhum em estar perto dele, mesmo que sua recusa implique em noite após noite prostrada numa cadeira ao lado de três outras garotas que também nunca são escolhidas. Em um destes bailes elas acabam conversando e trocando algumas confidências que fazem as quatro Annabelle Peyton, as irmãs Lillian e Dayse Bowman e Evangeline Jenner se unirem com um propósito: conseguir arrumar um marido.

Todas concordam que como Annabelle é a mais velha das quatro será a primeira a se casar (assim a ordem é definida pela idade!) e traçam o seu plano para dar o bote em um dos nobres disponíveis no fim da temporada em uma festa que durará algumas semanas na propriedade do conde Westcliff. E o que elas farão? A ideia é conseguir flagrar Annabelle sendo comprometida e, desta forma, o nobre teria que toma-la como esposa resolvendo assim os problemas financeiros da família Peyton. As quatro jovens só não contavam com uma importante variável: a atração mútua entre a Srta. Peyton e o Sr. Hunt.

Como disse no começo da resenha estou muito viciada em romances de época nos últimos tempos e estou chocada com quanta coisa boa do gênero tinha aqui na minha estante, mas infelizmente Segredos de Uma Noite de Verão não passou nem perto de ser um dos meus favoritos, apesar de eu ter curtido a leitura e ter aproveitado (ainda estou lendo os outros volumes no momento desta resenha!) os outros volumes se mostraram muito melhores que este.

Meu maior problema com a história é a sua protagonista. Annabelle é extremamente fútil! Não estou reclamando sobre o fato de ela querer um marido rico, entendo essa parte porque depende dela salvar a família do buraco em que estava, mas acontece que ela não aceita as investidas de Simon pelo simples fato de ele não ter um título de nobreza, mesmo este tendo se mostrado gentil com ela quando a jovem precisou dele. Sem contar as coisas que ela fala durante o livro, como o fato de ter criados ser sinônimo de status (ou algo assim!) é absolutamente ridículo.



Foi um fato que se fez presente desde o começo e até entendo que ela almeje coisas, ainda mais depois de anos e anos de privação, mas só lendo mesmo pra entender do que estou falando, há cenas onde ela reclama de não ser convidada para bailes, de ter que conviver com pessoas de um “nível inferior” e que mesmo aristocratas falidas a desprezam! Fiquei me perguntando: já que é assim querida, por que diabos você gostaria de relacionar com alguém desse tipo?, mas vai entender a personagem da Lisa! E vai ficando cada vez pior nos próximos volumes.

Também me incomodou o fato de a narrativa, que é feita em terceira pessoa, ser absolutamente focada na Annabelle. Já não gosto dela, então este fato não contribuiu muito. Acontece que quando um autor decide narrar algo em terceira pessoa eu entendo (e espero!) que haja uma expansão do pov, mas se o livro teve dez capítulos focados no Simon ficaria surpresa e eis porque isso me irritou ainda mais: eu adorei o Simon desde que ele a beijou de surpresa em um evento. O sarcasmo e a perspicácia dele realmente me fizeram ficar bastante caidinha pelo personagem.


Confesso que o que salvou pra mim no livro foram as outras três personagens (que tornam tudo mais divertido!), o irmão mais novo da Annabelle, Jeremy e um drama envolvendo a mãe e um cara bastante escroto que estava se aproveitando da situação ruim pela qual a família estava passando para tirar vantagens. Além, é óbvio, do próprio Simon Hunt. No final, acabei vendo que só gostei desse livro por causa dos outros personagens.

A capa do livro é linda, isso é inquestionável, mas a diagramação me incomodou demais! Apesar de ter folhas amarelas, o livro tem capítulos que começam na mesma página que o anterior termina. Isso me incomoda de uma maneira inexplicável (digam ‘oi’ para o meu TOC!) e diminuiu muito a velocidade da leitura para mim (poxa Arqueiro! Vacilou né?!).

Apesar de um começo não muito feliz, fiquei tão empolgada com as outras três personagens que prossegui na série e recomendo bastante até o momento. Este foi o meu primeiro contato com a Lisa Kleypas e acredito que tenha se iniciado razoavelmente bem, mas o próximo livro foi uma leitura arrasadora!






Título: Segredos De Uma Noite De Verão Série: As Quatro Estações Do Amor Páginas: 288
 Autora: Lisa Kleypas Tradutora:  Janaína Senna | Editora: Arqueiro | Ano: 2015


AS QUATRO ESTAÇÕES DO AMOR
Segredos De Uma Noite De Verão | Era Uma Vez No Outono | Pecados No Inverno | Escândalos Na Primavera | Uma Noite Inesquecível 
29 maio, 2018

[RESENHA] The Travis Family #3: A Busca

Oi gente! Hoje vamos falar um pouquinho sobre o romance A Busca, da Lisa Kleypas que foi lançado recentemente pela Editora Gutenberg. Então continue lendo este post para saber mais sobre esta história.

Hannah é uma mulher independente que ajuda outras pessoas (em geral mulheres!) a lidarem com as complicações de suas respectivas vidas amorosas com sua coluna intitulada Srta. Independente em uma revista. Mas sabem aquele velho ditado: casa de ferreiro…
Quando a irmã mais nova de Hannah, Tara,  desaparece pelo mundo e deixa um bebê, Luke, com a desastrosa mãe das duas, ela se vê sem qualquer outra saída que não seja pegar a criança e cuidar dela até que sua irmã inconsequente apareça. Se ela pelo menos soubesse quem é o pai poderia se livrar dessa obrigação é retornar para sua casa e seu namorado, Dave.
Acontece que nada disso parece fácil, Dave não quer Luke em casa, sua mãe também não, o paradeiro de Tara é desconhecido assim como o nome do pai do bebê. Quando uma pista sobre um possível pai surge, Hannah vai atrás e isto a leva até Jack Travis, filho de um dos homens mais ricos e poderosos do Taxas e um homem bastante orgulhoso, ele alega que é absolutamente impossível que seja o pai da criança, mas como Hannah está resoluta, ele decidi fazer um teste de DNA.

Acontece que não apenas Hannah começa a se importar com Luke, como também com Jack e sua relação com Dave vai se desgastando com a distância. As coisas ficam cada vez mais confusas quando eles começam a seguir postas sobre a paternidade da criança enquanto Jack se torna uma presença constante em sua vida. Os limites que Hannah se colocou ao longo de toda a vida ficam turvos e ela precisa decidir se quer correr certos riscos que podem acabar partindo o seu coração.
Eu amo os romances de época da Lisa, mas nunca tinha lido nada contemporâneo da autora o que me deixou bastante receosa em relação a essa trama, mas acontece que aparentemente essa mulher consegue conquistar o meu coração com seus livros e não importa em que tempo suas tramas se passem. 
Hannah é uma personagem com a qual me identifiquei muito rápido em função de algumas opiniões que com certeza compartilhamos. Além disso ela é uma personagem correta, forte, íntegra e mesmo assim ainda possui seus momentos de inseguranças e incertezas, mas ela não deixa que isso a consuma. Para ser bem honesta eu não gostei tanto assim do Jack ou do Dave, mas com certeza um é o exato oposto do outro em termos do que esperam de um relacionamento e isso foi bastante legal de se ver.
Sem dúvida o ponto alto desse livro foi ver a Hannah se tornar cada vez mais envolvida com esse bebê e vivenciar as experiências da maternidade que a aterrorizavam e crescer com isso. Foi impossível certo pronto para que a Tara nunca mais voltasse e deixasse Luke com a tia. A questão da paternidade do garotinho também é bem trabalhada dentro do livro e acabei fazendo algumas reflexões bem pessoais sobre o assunto.

Não sei se gosto ou não desta cama, mas adoro a diagramação simples que somada às páginas amareladas tornam a leitura bem confortável. Não encontrei nenhum erro de revisão no livro também, o que é outro ponto absolutamente a favor da obra e desta edição.

A Busca foi uma ótima leitura. Leve e divertida, mas com alguns assuntos que nos fazem refletir, este é um livro para quem deseja se divertir, relaxar e suspirar um pouco com cenas bastante fofas.