Posts arquivados em Tag: Tiger’s Saga

14 fev, 2018

[BOOK TALK] Crush’s Literários

Oiii seus lindos, para comemorar o dia de São Valentin, nos decidimos fazer um TOP 5 dos nossos crush’s literários. Então aperta o play aí para saber quais são os nossos  cinco (talvez um a mair por causa de um golpe) maiores amores.



RESENHAS CITADAS

Citamos alguns livros já resenhados durante a nossa conversa, então, se você quiser conferir mais afundo a nossa opinião sobre os livros em questão basta clicar nos links abaixo!

O Ar Que Ele Respira
Raptada Por Um Conde
Vigilante
Tiger’s Saga
As Peças Infernais
Os Instrumentos Mortais


Esperamos que tenham gostado deste Book Talk e não deixem de comentar aqui qual o top 5 da lista de vocês 😀


14 dez, 2014

[RESENHA] Tiger’s Saga #5: A Promessa do Tigre

Pra quem ama o universo de Tiger’s Curse, temos agora o antes de Kelsey, a história do antes de os irmãos Rajaram serem amaldiçoados… E o melhor? Narrado na visão daquela que foi alvo da primeira disputa entre os irmãos (bem antes do: Quem irá ficar com Kelsey)… Sim! A promessa do tigre é narrada por aquela de que muito se ouviu falar, mas que na verdade pouco se sabia… Yesubai o/


Bom então vamos aos finalmentes… E descobrir o que achamos sobre a história (AVISO , está resenha pode, e provavelmente conterá spoilers)

O livro narra a história dos príncipes no tempo em que eles
foram amaldiçoados, a história da infância e criação de Yesubai, como Lokesh
chegou ao trono e o que fez para chegar lá, como os príncipes se envolveram
nesta história, o que fez Kishan  trair
seu irmão, e qual era realmente a relação de Kishan e Yesubai.

Eu achei está versão particularmente interessante, por que, por mais que fosse explicado nos livros da saga, como os príncipes viraram
tigres, sempre ficava a questão de “Se o Lokesh é um feiticeiro tão poderoso, o
que diabos ele fez de errado, que ao invés de matar os príncipes, ele os
transformou em tigres?” e para mim, está foi A questão respondida em A Promessa
do Tigre, porque eu realmente ficava pensando “Nossa mas ele é um feiticeiro
fodastico, mas não tão fodastico assim, porque ele não matou os príncipes”, e bom
agora sabemos que a maldição na verdade foi o que salvou nossos príncipes amados.

Outra opinião que mudou, e acredito que tenha sido a
principal, é que eu achava a Yesubai uma égua (pra não usar outro animal que
ficaria mais pesado)
, não que eu pensasse que ela havia ajudado o Lokesh a
organizar os planos maléficos dele tudo mais, mas ela foi condizente, por que
ela não fez nada (está era a opinião antes de A Promessa do Tigre), mas eu
aprendi que ela foi uma menina sofrida e que não teve muitas opções, apesar de
achar que de muitas formas ela ainda tenha sido fraca e que muitas coisas
poderiam ter sido diferentes, se ela tivesse trabalhado melhor suas habilidades
e enfrentado o próprio pai.

Mas devemos admitir que o mundo na visão de Yesubai é muito
interessante, e que preenche varias lacunas, que foram deixadas durante a saga,
a respeito da maldição.

Fiquei realmente muito feliz de saber que o amor de Yesubai
por Kishan era verdadeito (porque eu achava que ela era só uma égua que tinha enganado
meu príncipe lindo), e também fiquei realmente triste por saber todo o
sofrimento que ela sofria nas mãos de Lokesh, apesar de já esperar que ele não
fosse um bom pai, eu jamais pensaria nas atrocidades que ele fazia com ela,
usar a própria filha sem nenhum remorso e coisas assim… Para mim só duas coisas ficaram ruins neste livro: A capa e
a linguagem, por quê? A capa por que eu realmente esperava mais, esperava uma
capa que chamaria a atenção como as demais capas da saga. 

A linguagem é moderna
e de fácil leitura, isto é muito bom, mas… O livro é narrado por uma pessoa
que viveu a mais de 300 anos atrás, então o mínimo que deveria ter era uma
linguagem mais formal, por que naquela época, mesmo que você estivesse
trancado, dentro de um quarto, conversando com uma pessoa que você tem
intimidade a linguagem usada seria formal, então como eu não li o original não
posso dizer se foi uma falha da autora ou da tradução, mas achei realmente uma
falha. Durante toda a saga, é aceitável que a linguagem usada seja mais
moderna, porque embora os príncipes venham de outra época, eles passaram por
todas as mudanças que o tempo trouxe, porem em A Promessa do Tigre eu não achei
legal, por que não era a linguagem usada da época.

Tirando estes dois aspectos que me desagradaram, eu achei a
história ótima, bem escrita e emocionante, vale a pena ler 😀



15 jun, 2013

[RESENHA] Tiger’s Saga #4: O Destino do Tigre



Não é de hoje que venho falando dessa série para os leitores do blog, sempre falando sobre suas muitas qualidades e esse livro, que fecha a história, deixou-me mais que feliz de ter apostado todas as minhas fichas na Colleen. Pela primeira vez em anos uma série não terminou de uma forma frustrante para mim.


Para quem ainda não leu os livros anteriores (principalmente A Viajem do Tigre) pule direto para a minha opinião pois há spoilers deles nesta resenha.

Depois ser sequestrada por Lokesh no final do livro anterior, Kelsey está completamente desesperada, como se estar com o cruel feiticeiro não fosse o bastante estar totalmente desarmada ela acaba por descobrir o quais são os planos dele para seu futuro: Lokesh quer que a garota gere um filho (homem!) para herdar o império que ele planeja construir.

— Kelsey, meu sangue lateja e meu coração dispara quando você está perto. Tenho que fazer um esforço para me conter e não tocá-la. Não tomá-la nos braços. Não beijá-la. Quase prefiro ser torturado por Lokesh novamente do que ser atormentado todos os dias assim ao vê-la com Kishan.
Engoli em seco e desviei os olhos daquele homem lindo. Meu olhar pousou em nossas mãos entrelaçadas cobrindo seu coração. Senti o batimento cardíaco de encontro à minha palma e às pontas dos dedos.
Tremendo, sussurrei:

— Sinto muito.



Para atrasar os planos do malfeitor ela propõe casamento a ele (argh!) e claro que alguém com um ego tão gigantesco não recusaria, na noite em que deveria se casar com Lokesh os seus príncipes encantados vão salvá-la e ela vai embora do castelo em que estava sem nem olhar. Durante o caminho ela de volta para a casa de Ren e Kishan ela descobre que o Sr. Kadam e Nilima estão desaparecidos e que o rastreador deles não registra nada, juntando isso com a última imagem que ela tem dos dois, Kadam entrando na frente de um arpão para que não acertasse a neta, a deixa ainda mais preocupada.


Logo depois do trio chegar em casa ficam ainda mais preocupados por não conseguir encontrar nenhum sinal dos desaparecidos, mas poucos instantes depois eles acabam entrando pela porte da frente, ambos parecem estar exaustos mas fisicamente bem. Os dias se passam e Kells acaba notando o quanto o Sr. Kadam está diferente, cansado e emocionalmente distante de todos. Ele não pede ajuda da garota na tradução da quarta (e última!) parte da profecia como costumava fazer e passa pouquíssimo tempo com os outros. Nada disso parece ser um bom sinal.


Há certas coisas que ficam mais claras para eles depois de três partes da maldição serem quebradas. Cada uma das etapas tem relação direta com um elemento da natureza (desta vez tem relação com o fogo), sempre devem procurar por um templo de Durga antes de embarcarem na nova jornada, há sempre uma oferenda a se fazer e presentes a se ganhar, mas acima de tudo, assim que uma parte da profecia é quebrada os príncipes ganham mais seis horas e, como já passaram por três, quando passarem por mais esse desafio eles agora poderão ser humanos por 24 horas. Mas nada acontece sem um sacrifício e será que eles estarão dispostos a pagar um preço tão alto? E quanto à Kelsey, será que finalmente vai conseguir fazer seu coração se decidir de uma vez por todas?

— Alguma coisa está, sim, preocupando o senhor. Não confia em mim?
Ele deu um suspiro profundo.— É claro que confio. É… é em mim que não confio. Há algumas coisas neste mundo que a pessoa deve enfrentar sozinha. — Ele inclinou a cabeça e me estudou. — Posso ter a ousadia de lhe fazer uma pergunta pessoal Srta. Kelsey?
— Quando fiz que sim com a cabeça, ele prosseguiu: — Se seu filho estivesse aprendendo a andar, a senhorita o pegaria no colo e o carregaria todas as vezes que em que ele caísse ou o encorajaria a continuar tentando?
— Eu o encorajaria a tentar, é claro.
— E se visse cacos de vidro pontiagudos por perto, limparia o caminho para ele?
Sim.
E se seu filho ficasse preso numa casa em chamas? O que faria nesse caso?
Sem hesitação ela respondeu:
— Eu entraria correndo na casa e o salvaria.— Sim, faria isso. Apesar de se colocar em risco, a senhorita iria se esforçar para proteger aqueles que lhe são preciosos. — Ele sorriu. — Era isso que eu precisava ouvir. A senhorita me proporcionou um  grande conforto, Srta. Kelsey 


Nos últimos anos tem cada vez mais autores por aí e suas narrativas nem sempre são tão originais assim, verdade seja dita: a maioria dos livros que leio parecem ser absolutamente iguais. Como já disse, no começo eu nem queria ler a série, mas acabei decidindo que daria uma chance e me apaixonei e posso dizer que das séries que leio nos últimos tempos essa está no meu top 3 quando. Só para que vocês saibam: já li duas vezes esse livro e chorei nas duas.



É muito difícil para mim comentar o turbilhão que passei durante a leitura dessa série e porque simplesmente amo tanto todas as personagens (gosto até a Randi e o Lokesh… bazinga!), a narrativa e todo o misticismo criado é indiscutivelmente genial e por mais que algumas pessoas possam não ter gostado, devem dar esse crédito à Colleen. Sem falar que ela arriscou muito ao desenvolver um livro que dominado por uma cultura que não seja a sua, sim ela fez muita pesquisa, mas ainda poderia ter errado bastante, mas felizmente aconteceu justamente o oposto, o brilhantismo da autora e a complexidade de sua pesquisa se mostra em cada página.


Sobre o nosso trio principal eu preciso dizer que amo todos os três. Por mais que a Kells seja uma personagem que me irritou em várias passagens durante os quatro livros, ela tem sua determinação inabalada quanto a causa dos tigres e acabou por amar a todos, ainda que seja insegura quanto ao amor que sente por Ren ela reconhece isso e tem seus motivos para se recusar a aceitar. Por outro lado temos o próprio príncipe Dhiren que é um dos meus amores literários, decido, implacável e romântico ao mesmo tempo, fiquei apaixonada por ele no primeiro livro, exatamente o oposto do que aconteceu com Kishan. Quando estava no segundo livro, que conheci melhor a personagem e vi que ele também era maravilhoso foi que me rendi a ele. E como é? Meninas se vocês tivessem dois homens como eles ao seus pés como é que se sentiriam em dúvida? 

Você precisa aprender a ter paciência no que diz respeito a mulheres e deusas, meu tigre de ébano.
— Per
doe-me, Deusa — Kishan rapidamente se desculpou e se curvou, cavalheiresco.
A sugestão de um sorriso surgiu no rosto dela.
— Aprenda a amar o momento em que se encontra. Valorize suas experiências, pois momentos preciosos passam rápido demais por você e, se estiver sempre correndo em direção ao futuro ou ansiando pelo passado, irá se esquecer de desfrutar e apreciar o presente.
— Irei me esforçar para me manter atento a cada palavra que passa por seus lábios, minha deusa.— Se ao menos você fosse sempre tão… devotado — disse ela.
Ren pegou minha mão para me consolar enquanto meu namorado jogava charme apara a bela deusa.



O Sr. Kadam é um caso à parte e merece, por isso, um parágrafo só pra ele. Ele é o personagem que me fez chorar nesse livro durante quatro capítulos inteiros, simplesmente não conseguia fazer as lágrimas pararem de rolar umas atrás das outras enquanto lia. Acho que gosto tanto dele por me lembrar um bocado alguém que eu mesma amo, então àquelas pessoas que também gostam dele: vocês vão chorar bastante. Na verdade, agora que estou pensando melhor, esse livro me fez chorar bastante, tudo nele é muito emocionante para o leitor.


A diagramação é como a dos livros anteriores e a arqueiro caprichou bastante em tudo, podem ter certeza, inclusive na tradução (sei porque li o livro em inglês!). Não tive a oportunidade de ver como é o hardcover de Tiger’s Destiny de perto, mas já me disseram que é muito perfeito, porém quando paro pra reparar as imagens da capa eu prefiro a nacional por ser mais vibrante. O que vocês acham?




O quinto e último livro da Tiger’s Saga não tem data para ser publicado lá fora, ainda mais agora que a Colleen deixou de escrevê-lo para começar uma nova saga que, até onde eu sei, tem a cultura egípcia envolvida, mas não há qualquer outra informação. Tiger’s Dream não tem nem sinopse ainda, mas nós fãs acreditamos que seja um livro que aconteça muito antes antes ou depois dos fotos que são narrados nos quatro livros, já que O Destino do Tigre realmente fecha a narrativa. Uma notícia boa é que os direitos de A Maldição do Tigre foram comprados e o filme tem estreia prevista para 2015. 

— Aquilo foi totalmente impróprio! — Ren disse rispidamente ao irmão e acertou-lhe um soco na cara. 
Kishan esfregou o queixo e fuzilou Ren com o olhar. 
— Se você se tratar Kelsey assim outra vez, vou fazer mais do que tentar enfiar um pouco de juízo nessa sua cabeça. Acho bom pedir desculpas a ela. Fui claro, irmãozinho? — Ren continuou com seu discurso.
Os olhos de Kishan se arregalaram, e então ele assentiu docemente.

— Ótimo. Vamos esperar por vocês lá fora, Kelsey
— disse Ren e saiu, seguidopelo Sr. Kadam.



O final dessa saga foi desesperador para mim, ficava o tempo todo pensando com quem a Kells terminaria e o que aconteceria com o outro irmão. Ren ou Kishan? Qual dos dois príncipes indianos teria o seu final feliz com a garota que amava? O fim foi surpreendente, mas me deixou muito feliz por ter acontecido dessa forma.


Bom, faz pouquíssimo tempo desde que conheci a série e menos ainda que a finalizei, mas é com certeza um daqueles livros que vou reler sempre que puder só pra reviver a magia que está em suas páginas e por isso dou cinco estrelas para ele.

Título: O Destino do Tigre
Série: Tiger’s Saga
Livro: #4 
Autora: Collen Houck 
Páginas: 400
Tradutor (a): Raquel Zampil
Editora: Arqueiro

27 jan, 2013

[RESENHA] Tiger’s Saga #3: A Viagem do Tigre



Essa uma das melhores séries que eu tenho na minha estante. Com certeza eu a amo tanto quanto Os Instrumentos Mortais (que é a minha série preferida atualmente). Eu já tinha até lido o livro ebook em inglês, mas como eu gosto da minha coleção de livros físicos e eles estão todos em português solicitei para a Editora Arqueiro o livro.


Se você ainda não leu as resenhas de A Maldição do Tigre e O Resgate do Tigre, basta clicar nos nomes dos livros que o link te direcionará para elas. Para quem ainda não leu os livros anteriores e não deseja saber mais sobre a história dos mesmos, cuidado porque esta resenha contém spoiler deles!
Kelsey Hayes está mais empenhada do que nunca a quebrar a maldição do tigre para poder tentar descomplicar a sua vida. Depois de enfrentar animais terríveis e conhecer terras míticas junto com Kishan para recuperar o segundo presente de Durga a garota se vê em uma situação que jamais imaginou: Ren, depois de ser capturado por Lokesh e resgatado por seus amigos não se lembra dela, é como se Kells nunca tivesse estando na vida dele e, para deixar tudo ainda mais complicado, Kishan está completamente apaixonado por ela e não faz questão nenhuma de esconder isso.

Afaste-se dela, Kishan. Agora! Kishan sacudiu a cabeça. — Não vou permitir que você machuque Kelsey.
Machucar Kelsey? Não vou fazer mal algum a ela. A você, por outro lado, eu vou destruir.

Nosso príncipe herdeiro além de não se lembrar da mulher que ama também não consegue ficar muito tempo perto dela porque sente uma dor terrível, nada disso facilita o relacionamento dele com Kelsey. Enquanto isso, Kishan se prova muito mais que honrado, atendendo ao pedido de sua amada ele não tenta beijá-la até que a situação com Ren esteja completamente resolvida.Mas agora toda essa confusão deve ser posta de lado para que eles possam correr atrás do terceiro presente da deusa, um colar que há muito lhe foi roubado e escondido nas profundezas do oceano em outra dimensão.


Para conseguirem quebrar mais uma parte da maldição que recaiu sobre os príncipes indianos, Kelsey, Ren e Kishan precisam deixar seus sentimentos de lado e trabalhar em conjunto, mas não é tão fácil assim. Depois de um episódio onde Kells quase morre {de novo} e Ren se vê impossibilitado de ajudar ele acaba por desistir de sua relação, depois disso ele ainda leva uma garota insuportável para o navio onde estão, fazendo com que Kelsey sofra ainda mais e é aqui que Kishan e ela começam um relacionamento, mas algo acontece e pode ser que mude absolutamente tudo para todos eles.


Nas minhas outras resenhas eu
deixei mais que claro que essa é, atualmente, uma das minhas sagas favoritas!
Bom, a escrita da Colleen Houck é envolvente a ponto deixar o leitor sem pregar
os olhos durante algum tempo (
lê eu sem
dormir pra ler e depois de ler!
).

Nesse livro as coisas mudaram
muito por causa da falta de memória do Ren, e agora ele e Kishan têm o mesmo
destaque durante toda a leitura, eu realmente amei essa mudança porque desde O
Resgate do Tigre fiquei completamente apaixonada pelo irmão mais novo também.


—  Bom, essa foi uma confissão e tanto. Acho que é a minha vez. — Ele fez uma breve pausa. — Eu só sinto quando você está perto.
— Como assim?

— Quero dizer que, na maior parte do tempo, é como se eu estivesse entorpecido. Só me sinto vivo quando estou próximo de você. Não consigo tocar, ler, estudar nem escrever a menos que esteja por perto. Você é minha musa, strimani. Parece que não tenho vida sem você. E, como estamos nos abrindo, tenho bastante certeza de que estou me apaixonando por você de novo. Já no que diz respeito ao ciúme, eu diria que essa emoção definitivamente está retornando. Sinto muito pelas meias. Ninguém me disse que haveria uma comemoração até o último minuto. Kishan jogou o presente para mim do nada, e agora estou achando que ele pode ter feito de propósito.

Além de todo o romance em volta
dos três (que se torna mais focado nesse livro), toda a ação que já conhecemos
dos livros anteriores não é esquecida, mas dessa vez nosso trio não estará
sozinho, Nilima e o Sr. Kadam está com eles durante boa parte da procura pelo
Colar de Pérolas da deusa Durga.


Não consigo me lembrar de
nenhum ponto negativo desse livro! Passei por um turbilhão de emoções enquanto
lia, durante várias páginas eu era team
Ren, mas logo depois algo novo acontecia e eu via torcendo para que o Kishan
levasse a melhor e terminasse ganhando o coração da Kells.


Antes de fazer as considerações finais sobre o livro, gostaria de dizer que fiquei extremamente emocionada com tudo o que aconteceu, chorei durante algumas páginas, fiquei com raiva e confusa (no bom sentido) durante tantas outras.


— Eu gosto, sim, do
seu cheiro. Agora que mencionou, pêssego com creme é uma descrição
adequada. Desculpe pelo sorvete, mas gosto muito mais de manteiga de
amendoim com chocolate. Prometo não dançar com Nilima. Acho que você é
linda e, se não acredita em mim, pode reler meu poema. Era você que eu
estava descrevendo. Acho você interessante, doce, inteligente e
altruísta. Gosto até do seu temperamento. Acho bonitinho. E, se isso não
me causasse tanta dor, eu lhe daria um beijo agora mesmo.
— Daria?
— Sim, daria. Será que o que eu falei deu conta de tudo?
— Deu.

Para quem ainda não começou a
ler a série acho que está perdendo uma das melhores sagas já lançadas! Para ser
bem clara: são obras geniais e posso falar isso com toda a segurança do mundo
porque já li o quarto livro (sim eu sei
com quem a Kells termina! muahahaha
) e o desfecho final é impressionante,
de deixar qualquer um pasmo. O que eu quero dizer é que esse livro merece uma
constelação, mas como o máximo que posso dar a ele são cinco ele as tem.











Título: A Viagem do Tigre
Série: Tiger’s Saga
Livro: #3 
Autora: Collen Houck 
Páginas: 496
Tradutor (a): Raquel Zampil
Editora: Arqueiro 




30 maio, 2012

[RESENHA] Tiger’s Saga #2: O Resgate Do Tigre



Acredite se quiser, quando a Editora Arqueiro anunciou que lançaria A Maldição do Tigre no Brasil eu nem liguei, vi a capa e achei bonita, mas nem tentei saber qualquer outra coisa do livro. Poucos meses atrás estava fazendo uma compra e decidi que para não pagar o frete (que era quase o valor de outro livro) iria colocar um outro exemplar na compra, A Maldição do Tigre só foi escolhido porque estava em promoção! E que sorte eu tive de ter pago barato por um dos melhores livros da minha coleção. 


Quando terminei o primeiro volume da Tiger’s Curse (Tiger’s Saga no USA), fiquei ansiosa porque a foma como o segundo terminou foi, no mínimo, frustrante para mim que fiquei completamente apaixonada pelo tigre branco de olhos azuis. Antes de começar a ler, cuidado pois esta resenha contem spoiler do livro anterior então, se você ainda não leu A Maldição do Tigre e não deseja spoiler, pule para a minha opinião!



O Resgate do Tigre começa com a Kelsey entrando no avião que a levará de volta para o Oregon, para a sua vida normal, não foi fácil se despedir de Ren, mas ela achava que era o correto. Ao chegar em seu país descobre que o Sr. Kedam, na verdade Ren acessorado pelo senhor, providenciou não apenas um carro muito caro, mas uma casa mobiliada e a matrícula em uma faculdade também muito despendiosa e conceituada, sem conseguir mudar a situação ela decide que é melhor se conformar.


Na semana seguinte à sua volta, Kelsey começa a frequentar a faculdade, em geral as disciplinas são bem interessantes e ela não tem muita dificuldade, a única exceção é o latim. Ela vai conseguindo se manter ocupada e, consequentemente, não pensa tanto em Ren. Depois de algum tempo o Sr. Kedam sugere que Kells devia começar a praticar wushu, uma antiga arte marcial. Durantes as aulas a garota conhece Li, um lutador muito bonito e se mostra interessado nela.

—  Uma vez você me perguntou use eu queria ter um lar e uma família. Eu pensava que não pensava que fosse querer isso sem Yesubai, mas vendo você daquele jeito no meu sonho, com aquele bebezinho… sim. Eu quero. Quero aquele bebê. Quero… você. Eu o vi e me senti… possessivo e orgulhoso. Quero a vida que vi em meu sonho mais do que tudo Kells. Achei que deveria saber disso.



Com o passar dos dias ela vai conseguindo se acostumar com a vida normal, sem aventuras e macacos assassinos correndo atrás dela e quando ela acha que tudo está estável, eis que uma mudança acontece, Kells é convidada para três encontros com três rapazes diferentes. O primeiro deles é Archer, um garoto egocêntrico, unha de fome, mal educado e que não a mínima para o que a garota que ele deveria estar agradando no encontro acha, o que faz Kelsey apenas pensar mais ainda no príncipe indiano de modos perfeitos que deixou para trás.


Jason não foi exatamente o contrário de Archer, apesar de terem conversado e o encontro não ser nem de longe tão ruim quanto o anterior, ela ainda não podia dizer que se divertiu no jogo de futebol americano para o qual o garoto a levou, tentou se interessar pelo jogo, mas não deu muito certo e ela se pegou pensando em um certo homem de olhos azuis…


Li a fez se divertir, muito na verdade. Jogaram e ela conheceu os amigos e a família dele. Ele é gentil, paciente, divertido e está disposto a esperar que os sentimentos mal resolvidos de Kelsey pelo ex-namorado sejam resolvidos, durante o Natal enquanto está na casa dos pais adotivos ela decide que vai beijar Li quando eles saírem mais tarde, mas um presente inesperado aparece na casa dos pais dela: Ren em carne, osso e muito charme !

Ren acha que ela deve continuar saindo com Jason e Li, mas deve acrescentar um terceiro pretendente à sua lista, ele. Daí para frente um começa a jogar com o outro, tentando conquistar através de poemas de amor e, o mais importante, fazer com que um beijo aconteça. Mas nem tudo são flores, quando a vida das personagens parecia finalmente estar entrando nos eixos Ren é capturado por Lokesh e Kelsey é obrigada a encarar uma nova aventura em busca do próximo objeto para quebrar a maldição com Kishan, em uma busca que pode matá-la, transformar seus sentimentos e trazer a tona um novo poder…


E eu amei mais O Resgate do Tigre do que poderia imaginar, a evolução da estória e das personagens foi maravilhoso e viciante! Não podia parar de pensar o que aconteceria a seguir. O livro é completo, no começo é um pouco depressivo, já que a Kelsey havia deixado o Ren na Índia, mas nada como a Bella em New Moon, é mais alguém tentando superar uma perda, tentando fazer a vida seguir em frente. Quando o Ren chega as coisas ficam boas (pelo menos para mim), mesmo ele tendo estado presente antes porque a garota não esquecia de pensar nele em momento algum e, para quem não sabe, o livro é narrado em primeira pessoa.




— Kelsey, cada dia que você ficou longe de mim foi uma agonia. Eu fiquei louco. Se o senhor Kedam não tivesse me mantido ocupado cada minuto de cada dia, eu teria tomado um avião na semana seguinte. Eu ouvia pacientemente enquanto ele me instruía, mas só tenho seis horas como humano. Como tigre abri um caminho no tapete do meu quarto de tanto andar de um lado para outro, hora após hora. Nada me acalmava. Eu estava sempre inquieto, um animal selvagem sem… sem sua fêmea.



Tenho que confessar que também me apaixonei pelo tigre negro, esse livro foi focado nele e na relação com a namorada do irmão. As personagens vão se aproximando e isso permite aos leitores uma outra perspectiva dele e é impossível não se apaixonar por Kishan, ele se culpa pelo que aconteceu com os dois, mas ao mesmo tempo está em busca de redenção e é tão protetor  e sedutor quanto Ren.


A capa é linda e eu adorei, mas acho que a do primeiro é mais bonita. Não sei exatamente por quê, mas o tigre branco me parece mais bonito e a diagramação é perfeita, sempre nos remetendo à cultura hindu, aliás eu adoro a forma como a cultura continua a ser apresentada aos leitores de forma leve e muito interessante!


Antes de dar a minha nota para o livro (que parece ser muito óbvia), quero dizer que eu me debulhei em lágrimas com os últimos capítulos chorei a ponto de soluçar! E voltando à nota, cinco estrelas para O Resgate do Tigre me parece o mais junto.


Ahh e eu deixo aqui o meu pedido à Editora Arqueiro que não demore para lançar o terceiro livro e o meu agradecimento à mesma por ter cedido a obra para resenha!






Título: O Resgate do Tigre
Livro: #2  
Autora: Collen Houck  

Páginas: 432
Tradutor (a): Raquel Zampil
Editora: Arqueiro

22 mar, 2012

[RESENHA] Tiger’s Saga #1: A Maldição Do Tigre

Não deve ser segredo para absolutamente ninguém que eu sou completamente apaixonada por YA books, basicamente minha coleção de livros é formada por exemplares nesse estilo, isso porque sempre fui apaixonada por fantasia, de uma forma geral. E aí você deve estar se perguntando o que isso tem a ver com resenha de hoje. Pois bem, foi procurando notícias sobre este gênero literário que me deparei com este livro e que no começo não me atraiu, mas depois que comprei comecei a devorar vorazmente.

Kelsey mora com os pais adotivos em Oregon desde o acidente que matou a sua família biológica, e precisa arrumar um emprego de verão para poder entrar em uma faculdade, ela é designada por uma agência para trabalhar no circo, arrumando as coisas antes e depois das apresentações, vender ingressos, alimentar os cães e o um tigre branco! Ela aceita e, durante duas semanas, ela vai morar neste circo, para poder contar com algumas horinhas de sono a mais já que seu turno começava extremamente cedo.

No primeiro dia Kelsey não tem contato direto com quaisquer animais, ela simplesmente cuida do restante e, no fim do expediente, está muito cansada para pensar em outra coisa que não seja dormir, mas no dia seguinte, porém, ela conhece os cachorros e, em seguida, o tigre branco. Ao ver o animal fica maravilhada com sua beleza, seu porte e aqueles olhos azuis profundos que parecem quase humanos… O tigre se chama Dhiren, mas a garota o chama apenas de Ren.

A adolescente começa a se apegar ao tigre e sempre que pode está com ele, a companhia de Ren era especial de várias maneiras, ela o desenhava, lia para o anima e fazia carinho nele e então ela começa a perceber que talvez não fosse bom para ele ficar enjaulado e se apresentando no circo e deseja que fosse livre. No dia seguinte após seu desejo um senhor chamado Kadam negocia o belo animal com o dono do circo, que acaba por vendê-lo, segundo o misterioso homem o felino seria levado para uma reserva na Índia, mas ele precisava de ajuda de alguém, essa pessoa se encarregaria das necessidades do bicho durante a viajem e  readaptação à vida na selva.
— Ah. Eu… também vi uma fita. É minha?
— Sim. Se a quiser de volta, pode pegar.
— Para que você a quer?
— Queria uma lembrança, uma prenda da garota que salvou a minha vida.
— Uma prenda? Como uma donzela que dá seu lenço a um cavaleiro de armadura brilhante?
— Exatamente.

Kelsey aceita o desafio e vai para a Índia. Depois de chegar lá ela tem que ir de carro à tal reserva, mas o motorista simplesmente a deixa em uma posto de gasolina em que haviam parado para se alimentar, ele também deixa a mochila (bem equipada) e o tigre para trás. Dessa forma a menina se vê perdida no meio do nada com um animal selvagem e apenas poucos suprimentos. E se isso não fosse terrível o bastante, Ren começa a se dirigir para uma floresta estranha e assustadora e claro ela segue o animal, mesmo não sendo a coisa mais sensata a se fazer.

Em um certo momento, depois de andarem por mais de um dia, dormir na floresta e outras coisas, eles encontram um pequeno chalé e então ela tenta o amarrar, afinal a pessoa que mora ali poderia ficar apavorada ao ver o tigre. Neste momento ele se transforma em um homem alto, moreno, musculoso e com olhos azuis, exatamente como o do tigre. Dhiren, conta sua história para a garota, ele e o irmão foram amaldiçoados a mais de trezentos anos atrás, ambos são príncipes e somente ela pode quebrar essa terrível maldição pois é a protegida de uma deusa. Para quebrá-la, Kelsey terá que enfrentar muitos perigos e confiar em pessoas desconhecidas…


A Maldição do Tigre é um livro maravilhoso e ao mesmo tempo frustrante! No começo eu achei que não fosse gostar tanto do livro, mas no decorrer da leitura passei a amar todo o enredo e o misticismo envolvido, mas principalmente eu me apaixonei pelo Ren, um tipo de homem que se fosse real faria qualquer mulher perder o fôlego, eu suspirava o tempo inteiro durante a leitura. Até certa parte eu fiquei muito feliz com o desenvolvimento da história, até que a Kelsey começa a dar uma de Bela Swan.

Daí para frente a Kelsey fica pensando que ele é maravilhoso demais para ela e tentado se proteger de uma desilusão amorosa, que ela nem sabe se vai acontecer mesmo, e para isso começa a esnobar o príncipe. Nem preciso falar que não gostei quando isso aconteceu, não é? Gente, ela já tinha se envolvido com ele, já estava apaixonada, então adianta o que romper agora?

— Eu sei o que o que você está pensando e não vou deixá-la escapar de novo. Você pode se sentar e jantar comigo como uma namorada normal — ele sorriu diante da palavra utilizada — ou — fez uma pausa, pensativo, e ameaçõu: — pode se sentar no meu colo enquanto eu a obrigo a comer.
— Você não ousaria — sibilei. — Você é cavalheiro demais para me forçar a fazer qualquer coisa. Isso é um blefe, Sr. Permissão.
— Até um cavalheiro tem seus limites. De um jeito ou de outro, vamos ter uma conversa civilizada. Estou torcendo para ter que lhe dar comida no meu colo, mas a escolha é sua.

Um coisa em especial me chamou atenção foi o trabalho de pesquisa da autora, é possível conhecer muito sobre a cultura indiana com esse livro, coisas espetaculares e que nem imaginávamos, mas tem várias palavras em hindí e que não tem tradução e isso acaba por confundir, o que seria resolvido com uma nota de rodapé.
 

Eu preciso comentar que a capa desse livro é maravilhosa, mas na foto não da para perceber os detalhes que conseguimos notar quando ele se encontra nas nossas mãos, para mim essa é a capa mais linda dos livros da Arqueiro! A diagramação é bem simples, mas linda também, o nome dos capítulos (outra coisa que eu adoro, capítulos com nomes!)  tem a mesma fonte da capa.


Mesmo com esse lado negativo, acho que A Maldição do Tigre é um livro altamente remendado, que vai te fazer ficar tensa, emocionada e suspirar, no caso das mulheres, para os homens tem muita aventura o que é um atrativo e tanto, e para ambos, várias reviravoltas durante toda a leitura. Minha nota para esta obra são quatro estrelas!


Título: A Maldição do Tigre
Livro: #1

Autora: Collen Houck

Páginas: 342

Tradutor (a): Raquel Zampil

Editora: Arqueiro